Good Contents Are Everywhere, But Here, We Deliver The Best of The Best.Please Hold on!
Your address will show here +12 34 56 78
Aprendizagem Móvel, Conteúdo Educacional, Tecnologia

Para além dos clipes musicais, o Youtube também exerce um importante papel didático com seus vídeos informativos, educativos e ao estilo “como fazer”.


Introdução


Lançado em 2005, o Youtube se tornou a maior plataforma de distribuição digital de vídeos. Sua criação se deu através de dois ex-funcionários do PayPal, Chad Hurley e Steve Chen. Ao gravarem alguns vídeos, eles perceberam que não podiam compartilhá-los, pois os arquivos eram grandes demais para enviar por e-mail, e colocá-los na web daria muito trabalho.


Na época em que o Youtube foi lançado, já existiam inúmeros sites de compartilhamento de vídeos. No entanto, eles eram muito difíceis de usar. Dessa forma, o diferencial do YouTube era justamente o fato de o usuário não precisar se preocupar em comprimir ou descomprimir os vídeos, pois (de um de um jeito ou de outro) eles seriam convertidos e reproduzidos em Flash.


Outra diferença do site em relação aos outros existentes, além da praticidade de uso, era a possibilidade de verificar a quantidade de visualizações de cada vídeo. Isso incentivou a produção em massa de conteúdos específicos para a plataforma.

Com o sucesso obtido ao longo dos anos, o Youtube se tornou interesse de muitas empresas: Google, Yahoo, Microsoft e News Corp (então dona do MySpace). Todas fizeram propostas para adquirir o YouTube.


Em 2006, Hurley e Chen fecharam o acordo com o Google, que considerava a plataforma como “o próximo passo na evolução da internet”. O Youtube foi vendido por US$ 1,65 bilhões, sendo que, na época, já possuía mais de 700 milhões de visualizações por semana.




Como o Youtube se consolidou como a maior plataforma digital de vídeos?


Considerado um dos maiores negócios da internet e responsável por revolucionar a forma de se criar e consumir conteúdos digitais, o YouTube possui acesso de 1/3 da internet mundial, está presente em 88 países, disponível em 76 idiomas, e conta com mais de 2,5 bilhões de telespectadores por dia.


Por ser uma plataforma aberta e acessível a todos, a empresa acredita que parte desta popularização vem da democratização da produção de conteúdo audiovisual que o site oferece.


O interesse das pessoas neste nicho de mercado é enorme: dados do YouTube mostram que, a cada minuto, cerca de 400 horas de conteúdo inédito são publicadas no site. E, apesar de não divulgar o número exato, o diretor de conteúdo da empresa no Brasil afirma que existem milhões de canais recebendo receita com o programa de parceiros da empresa.


Com a grande audiência da plataforma, surgiram as pessoas que se dedicam a produzir conteúdo exclusivamente para o site. Conhecidas como Youtubers, elas representam parte de uma geração de jovens que, através de canais criados no site, se comunicam por vídeos com os mais variados temas: dicas de maquiagem, culinária, viagens, entretenimento, jogos e outros assuntos de interesse popular. A produção desses vídeos nos últimos anos se transformou em uma nova fonte de consumo de conteúdo digital, inclusive ameaçando a audiência da TV.


A estimativa é de que exista, no Youtube, cerca de 500 mil canais ativos, postando vídeos regularmente. E, a cada minuto, são carregadas 100 horas de vídeos na plataforma.


Outro dado inusitado é que uma pessoa levaria 8,5 milhões de anos para assistir todos os vídeos do Youtube.


Em relação ao acesso do Youtube, o usuário mobile (smartphones e tablets) apresenta 60% das entradas na plataforma, ficando cerca de 40 minutos ao dia na mesma. Já o usuário de computador representa 40% dos acessos, e dedica cerca de 30 minutos ao dia na plataforma.




Principais dados do YouTube


  • Vídeos de entretenimento – média de 9.816 de visualização
  • Videos de estilo, maquiagem e comportamento – média de 8.332 de visualização
  • Vídeos de ciência e tecnologia – média de 6.638 de visualização
  • Vídeos de animais – média de 6.542 de visualização
  • Vídeos de automóveis e veículos – média de 5.673 de visualização
  • Educação – média de 4.872 de visualização
  • Viagens e eventos – média 3.070 de visualização
  • Mundo game – média de 3.050 de visualização
  • Pessoas e blogs e opinião – média de 2.354 de visualização

Os principais motivos que levaram o YouTube a se tornar um fenômeno digital é o fato de a plataforma ser gratuita e possuir carregamento rápido de vídeos – em boa qualidade de imagem. Além disso, ela oferece simplicidade no upload e na hospedagem dos arquivos, permitindo também a criação de canais diversos.


Tutoriais: o YouTube para além dos vídeos musicais


Uma das particularidades mais interessantes do Youtube é que ele não é apenas uma plataforma para assistir vídeos musicais. Ele também é uma fonte de pesquisa de conteúdos informativos e tutoriais. O site possui, inclusive, uma plataforma de educação chamada Youtube Edu.


As aulas em vídeos – sejam para treinamento ou estudo – são ferramentas eficazes para transmissão de conhecimento. Rentáveis, elas oferecem diversos benefícios que vão além da sala de aula e da rotina do aluno. Vídeos fornecem um estímulo maior do que um simples áudio ou escrita. Através deles, é possível ver as expressões faciais das pessoas, a linguagem corporal e o ambiente em que a pessoa está inserida. Tudo isso de forma prática e acessível!


A maioria das pessoas considera o meio visual como a maneira mais eficiente de se aprender, pois é, sem dúvida, uma das melhores experiências para aprendizagem e assimilação do conteúdo. Os vídeos agregam valor à mensagem e contribuem para o aumento da produtividade de quem assiste, tornando o aprendizado mais intuitivo, recorrente e atemporal.


Em 2013, o Google do Brasil, em parceria com a Fundação Lemann, lançou o YouTube Edu, plataforma de vídeos educacionais. Com objetivo de lançar uma tendência e atrair cada vez mais usuários que buscam conhecimento e informação, os vídeos da plataforma são separados por disciplina: Língua Portuguesa, Matemática, Química, Física, Biologia… O Brasil foi o primeiro país – além dos EUA – a fazer parte dessa iniciativa.


Um dos principais objetivos do projeto é estimular a produção de conteúdo educacional de qualidade para a internet. A plataforma é aberta e qualquer educador pode submeter o canal para avaliação!




O poder informativo e didático dos vídeos


Em meio a ascensão do YouTube, estimulou-se também a produção e o consumo de conteúdo digital para a educação. Nesse contexto, uma metodologia de ensino se destaca por ganhar a preferência dos brasileiros: a videoaula.


De acordo com estudos publicados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a videoaula é o meio preferido no país para estudar a distância. Para 37 % dos entrevistados, o melhor formato é o de aulas em vídeo transmitido ao vivo. Em seguida, as gravadas aparecem com 34 % de preferência.


Além de apresentarem um enorme potencial educativo e informativo, aumentarem o engajamento de quem está assistindo, facilitar a absorção de conhecimento, estimular a criatividade, a combinação de elementos audiovisuais ainda aumenta a satisfação do aluno em aprender, pois a união de ilustrações e gráficos ao vídeo facilitam a compreensão do assunto.


Uma das principais vantagens das videoaulas é a possibilidade de o usuário não precisar seguir uma grade de horários pré-determinada. Portanto, se a rotina do aluno for muito apertada, ele poderá aprender o conteúdo no seu tempo.


Outro diferencial é que não há a necessidade de se estudar tudo de uma vez ou de dedicar muitas horas assistindo os vídeos. No Youtube, o usuário/aluno tem total controle sobre o consumo dos conteúdos, podendo pausar a “aula” quando quiser – ou até mesmo avançar partes dela!


O YouTube também disponibiliza vídeos tutoriais informativos, ao estilo “como fazer”, que podem ser utilizados como estratégia para o aprendizado em sala de aula e até para treinamentos corporativos!




Utilizando vídeos no aprendizado e no treinamento corporativo


Antes de criar vídeos educacionais, é essencial ficar atento a uma série de requisitos, de forma a garantir a eficiência e relevância dos conteúdos para os usuários. Confira as dicas!


  1. Comece com o conteúdo: o primeiro passo é produzir, de forma objetiva, o que você deseja transmitir.

  1. Preocupe-se com o áudio: faça gravações em lugares sem ruídos e, se possível, invista em um microfone.

  1. Faça um roteiro: não adianta, por exemplo, querer preparar o aluno para o Enem e não saber o que é cobrado. Crie um roteiro, baseando-se naquilo que você quer ensinar e incluindo informações e dados que vão enriquecer o seu conteúdo.

  1. Invista em equipamentos: com o passar do tempo, se for isso o que você quer fazer de verdade, comece a investir em equipamentos. Compre uma boa câmera e um bom microfone. Quanto mais profissional for o canal, mais pessoas vão se interessar em assistir!

  1. Divulgue: divulgue ao máximo o seu conteúdo, seja por Facebook ou Instagram. É por meio da divulgação que as pessoas vão conhecer o seu trabalho!



Diferentemente dos vídeos educacionais, os conteúdos voltados para treinamento e ambientes corporativos exigem uma explicação mais aprofundada, com bons argumentos e com temas relacionados ao meio corporativo.


Os vídeos devem estar de acordo com a cultura e a política da empresa, e podem ser criados e apresentados pelos próprios funcionários. Confira algumas dicas sobre o assunto!


  1. Defina seu público

O quanto bem informado é o seu público? Uma vez que iniciantes precisam de uma introdução ao assunto, os veteranos podem achar chato ou até mesmo ofensivo. Qual a idade, gênero e nível educacional dos espectadores? Defina as características do seu público e, de acordo com elas, escolha a linguagem do vídeo.


  1. Prepare um roteiro

Na hora de criar um treinamento em vídeo, é crucial preparar um roteiro antes. Com o seu discurso escrito, será mais fácil apresentar o conteúdo de forma objetiva e clara.


  1. Organize a cena

Com o roteiro pronto, é hora de avançar para a cena. Para tornar o vídeo mais eficaz, filme em um ambiente real, que seja diretamente relacionado ao tema abordado. Por exemplo: se está ensinando técnicas de venda, grave seu treinamento em um balcão de vendas!


Conclusão


Com as salas de aula cada vez mais associadas a ambientes digitais, é praticamente impossível deixar o YouTube de fora das ferramentas essenciais para a educação e também para o dia a dia.


Considerado como uma revolução da era digital, o YouTube permite o  compartilhamento mundial de conhecimentos, a possibilidade de se aprofundar em temas específicos e de consolidar o aprendizado.


Ao usar o YouTube na sala de aula, por exemplo, o professor tem o controle total do ritmo de aprendizagem, sendo ideal tanto para os alunos que aprendem mais rapidamente e para os alunos que têm mais dificuldade em acompanhar a matéria.


Portanto, aliar a plataforma ao ensino e ao aprendizado promove benefícios para todos os envolvidos no processo educacional!

0

Aprendizagem Móvel, Conteúdo Educacional, Tecnologia

O podcast educacional tem revolucionado métodos de ensino, e este artigo explica como a ferramenta pode ser uma alternativa eficaz de aprendizado!


Introdução


Todo indivíduo possui ou apresenta uma maneira própria de aprender, que é definida como ‘estilo de aprendizagem’. Pode ser cantando músicas, através de brincadeiras ou até mesmo de jogos pedagógicos.


Estes diferentes estilos de aprendizagem são reconhecidos no sistema educacional como:
visual, auditivo ou sinestésico.


O
aluno visual obtém conhecimento através de leitura de textos, imagens, gráficos, diagramas – e tende a recordar melhor as informações se ele as lê silenciosamente para si mesmo, antes de ler em voz alta ou discutir.


Já o
auditivo adquire melhor o conhecimento lendo um texto em voz alta, ouvindo histórias gravadas em áudio ou participando de uma discussão. Os alunos sinestésicos aprendem melhor através de uma abordagem “mão na massa”. Eles aprendem movendo, tocando e fazendo.


Mas diante da revolução que o sistema educacional vivencia, com a tecnologia cada vez mais presente nas salas de aula, esses conceitos têm se tornado cada vez mais escassos.


Eles dão espaço a um novo momento que, através de novas tecnologias e ferramentas modernas, prometem transformar a vida de alunos e professores. A Internet, aliada aos smartphones, pretende revolucionar o formato de ensino estabelecido hoje nas escolas.


Podcast: o que é?


Inspirado pelos programas de rádio, o podcast nada mais é do que uma forma de transmissão de arquivos multimídia na Internet, criada pelos próprios usuários. Nestes arquivos, as pessoas disponibilizam listas e seleções de músicas ou simplesmente falam e expõem suas opiniões sobre os mais diversos assuntos.


Podendo ser ouvidos a qualquer hora, os podcasts criam uma espécie de rádio virtual direcionada para assuntos específicos. Além disso, esses arquivos podem ser escutados perfeitamente em um player portátil.


No Brasil, o primeiro podcast surgiu em 2004 e, em 2005, foi organizada a Conferência Brasileira de Podcast (PodCon Brasil), primeiro evento brasileiro dedicado exclusivamente ao assunto.


De acordo com especialistas, quando os primeiros podcasts brasileiros surgiram, eles se assemelhavam bastante aos norte-americanos, com pouca ou nenhuma edição, lembrando programas ao vivo de rádio. Já a partir de 2005, novos formatos surgiram, inspirados em programas de rádio voltados para jovens. Essas apresentações aliavam humor, técnica e mixagem de som, com pautas leves e descompromissadas, e trilha e efeitos sonoros que valorizavam a fala dos locutores.


Uma pesquisa feita em 2015 nos Estados Unidos apontou que 1 em cada 3 americanos ouvia podcasts. No Brasil, a estimativa era bem menor que isso: cerca de 1,5 mil ouvintes.


Atualmente, a podosfera brasileira já se tornou suficientemente sólida do ponto de vista de quantidade e qualidade, embora ainda não de popularidade. Podemos encontrar programas sobre praticamente todos os temas.

 

As vantagens de aprender ouvindo podcasts

 

Simples, prático e acessível, o podcast se tornou, ao longo dos anos, uma excelente ferramenta para quem deseja adquirir novos conhecimentos.


O recurso atua como facilitador, já que pode ser reproduzido em computadores, tablets ou celulares, a caminho da escola ou até mesmo no transporte público. Através dos podcast, professores e alunos com interesse em produzir conteúdo específico para educação podem hospedar seu material e fazer disso um recurso educacional aberto. A partir daí, os áudios gravados podem ser baixados para serem ouvidos em qualquer lugar.


Um dos principais pontos positivos do podcast, quando usado como ferramenta educacional, é a permissão de trabalho colaborativo. Com distribuição gratuita e livre, contribui para a difusão e uso, facilitando o compartilhamento de conhecimentos e troca de ideias entre alunos, professores e usuários da rede. O podcast é também uma excelente ferramenta de autoaprendizagem, já que possui disponibilidade e acesso livre pela rede.


Outra grande vantagem do seu uso é o fato de o usuário ver baixados seus episódios de forma automática por meio dos feeds. Além disso, sua vinculação a um blog o estimula a participar de comunidades virtuais e a realizar aprendizagens colaborativas.


Este recurso também contribui com a educação na medida em que desenvolve a autonomia do aluno, colaborando para que ele se torne responsável pela construção de seu próprio aprendizado.


Quando utilizar o podcast como ferramenta educacional?

 

O podcast se tornou o queridinho da vez de muitos brasileiros que desejam se capacitar, e a prova disso é que cada vez mais empresas e instituições de ensino têm investido na ferramenta como mais um canal para propagar conhecimento.


Os cursos de idiomas, por exemplo, são os que mais têm investido em podcast. E a escolha tem dado bons frutos, pois a possibilidade de se aprender um novo idioma de forma prática e acessível anima e motiva muitos estudantes.


Além de cursos, a ferramenta também pode ser útil como um complemento de conteúdos ensinados em sala de aula, permitindo que os alunos possam revisar seus textos e aulas.


Para os docentes, o podcast atua como um facilitador, pois através dele é possível dar instruções aos alunos sobre a atividade a ser desenvolvida, auxiliar no aprendizado das matérias (principalmente quanto à compreensão oral e fixação de pronúncia). Além disso, o recurso pode substituir uma aula presencial quando o objetivo for a simples exposição de conteúdos.  


Utilizando podcasts a favor da aprendizagem auditiva

 

Existem diversas formas de utilizar podcasts a favor da aprendizagem auditiva:


Recorrer a podcasts na Internet –
atualmente, há diversos sites e canais que disponibilizam áudios com os mais variados assuntos relacionados à educação. São eles:


Podcast da Educação
: oferecido pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, conta com especialistas abordando temas na área educacional.


Braincast: reúne os melhores podcasts em português dos mais variados assuntos, e claro, um deles é Educação.


Nerdcast:
Aborda assuntos do mundo geek, mercado de trabalho, filmes, games, quadrinhos, redes sociais e demais assuntos relacionados à Internet.


Produzir seu próprio podcast –
Ao decidir criar seu próprio podcast, a primeira coisa que você deve ter em mente é o tema que será abordado. Após a definição do assunto, vem a criação do texto que será gravado, e, por isso, é importante se sentir confortável com todas as palavras e entonações. A gravação e a edição do áudio devem ser bem planejados para evitar falhas e ruídos. O ideal é que os áudios sejam gravados em lugares fechados e com boa acústica. Uma das maiores dificuldades de quem está começando no mundo dos podcasts é a questão da hospedagem dos mesmos. Porém, atualmente existem inúmeras formas gratuitas de hospedagem, com bastante espaço para armazenamento.


Criar podcasts como trabalho avaliativo –
ideal para docentes, essa é uma forma inovadora de aplicar teste sobre os temas tratados dentro de sala de aula. Os professores ditam as regras que devem ser seguidas e os alunos, por meio do áudio, irão responder às questões propostas.


Conclusão


O podcast já é uma grande realidade, e muitas instituições estão aderindo a este novo formato de aprendizado, já que, junto com a leitura e as aulas presenciais, ele pode aumentar a efetividade do ensino. Afinal, o áudio possui uma grande capacidade de despertar sentidos e atitudes.


Nas universidades, é muito comum que a mesa do professor abrigue uma série de gravadores e celulares. Os áudios das aulas servem como material de apoio e lembrete aos alunos sobre o conteúdo assistido. O problema é que estes áudios são captados com baixa qualidade e, como se não bastasse, o aluno que o utiliza guarda apenas para si.


Com a utilização dos podcasts pelos docentes, este hábito já começa a mudar, fazendo com que os conteúdos sejam compartilhados com uma gama maior de interessados. O uso do recurso também contribui para a redução do volume de material impresso, já que os trabalhos solicitados pelos professores podem ser feitos e entregues por meio dessa mídia.


Para aplicar o podcast na educação de forma eficaz, é preciso que o professor selecione assuntos relevantes para os alunos. Essa seleção deve ser minuciosa, de modo que os temas abordados sejam explicativos e não gerem dúvidas.


Outro aspecto importante a ser levado em conta é que
o podcast se diferencia do rádio em dois aspectos. Enquanto o rádio necessita de ouvintes disponíveis para a sua programação, o podcast é um arquivo gravado e liberado para download. Ou seja, ele pode ser consumido a qualquer momento.


Além disto, um veículo de massa como o rádio precisa partir de comunicações amplas para impactar o maior número de pessoas. Já no podcast, o diferencial está justamente na produção segmentada dos arquivos.


Sabe-se que mais de 40% da população tem o estilo de aprendizagem auditiva como predominante. Isso significa que, para muitos, o podcast pode ser uma grande ferramenta de ensino, além de um recurso complementar às aulas tradicionais!

0

Gestão de Recursos Humanos, Gestão de Vendas, Tecnologia, Treinamento Corporativo, Treinamento e Desenvolvimento
A ideia foi posta em prática, o aplicativo está feito e funcionando. E agora? Para que seu público possa ter acesso e usufruir do seu app, você vai precisar publicá-lo na Google Play e/ou na App Store. Mas não é só isso! Existem algumas técnicas que podem te ajudar a chegar ao topo da lista de apps e gerar mais downloads. Confira:
keep reading
0

Conteúdo de Treinamento, Conteúdo Educacional, Tecnologia

Nos últimos tempos, muito tem se falado sobre mobile learning. Entretanto, o que mais tenho visto por aí são projetos de e-learning tradicionais “adaptados” para serem visualizados em dispositivos móveis. Antes de sair por aí adaptando seus projetos, gostaria que você levasse em consideração esses 5 pontos, a seguir:
keep reading

0