Good Contents Are Everywhere, But Here, We Deliver The Best of The Best.Please Hold on!
Your address will show here +12 34 56 78


1- Introdução

 

Se você ainda acredita que o futuro é a mobilidade, é melhor repensar o seu discurso. Essa mudança já aconteceu e hoje pode ser mostrada em números. Veja! De acordo com a companhia de análise independente StatCounter, o consumo de internet a partir de dispositivos móveis superou o uso por meio de computador em 2016. O tráfego a partir de smartphones e tablets em outubro do ano passado foi de 51,2% enquanto o computador ficou em 48,7%.

E se ainda não estiver convencido, outros dados podem comprovar o que estamos afirmando: de acordo com um relatório da GSMA – entidade que representa os interesses das operadoras móveis de todo o mundo -, o Brasil é o país com mais smartphones conectados à internet da América Latina. São 234,5 milhões de conexões sem fio (wi-fi) no país no terceiro trimestre do ano, sendo 73% a partir destes aparelhos e 35% utilizando tecnologia 3G/4G.


 


Sim, o tal futuro mobile já é algo consolidado. E, com essas mudanças, os dispositivos móveis alinhado às novas tendências tecnológicas têm projetado cada vez mais o mercado de dispositivos móveis. E, acredite, o segmento de mobile learning tem sido um dos percursos para estes novos formatos de tecnologia. E o conceito de mobile first, por exemplo, que consiste em projetar um site primeiro para dispositivo móvel e depois ajustá-lo para desktop, já é uma estratégia bastante utilizada para quem trabalha em projetos de ensino a distância.

Se você deseja acompanhar a revolução digital em seus projetos educacionais, seja bem-vindo, você está no lugar certo. Neste artigo, iremos mostrar como o mobile first  poderá otimizar o tempo gasto em seus trabalhos e reduzir custos.

 

2- Porque Considerar o Mobile First em projetos EAD

 



O processo de desenvolvimento tecnológico em nossa sociedade está cada vez mais acelerado. Novos recursos são inseridos quase que diariamente no mercado, e não demoram para tomar conta do nosso cotidiano. Smartphones, tablets, notebooks, entre outros dispositivos móveis, estão presentes em nossas atividades diárias, principalmente para se comunicar, compartilhar informações e aprender por si mesmo; ou seja, para adquirir conhecimentos, valores e habilidades por conta própria, sem a necessidade de estar em sala de aula e sendo acompanhado por um professor. 

Desta forma, hoje, é impossível tratar a tecnologia de forma superficial; é preciso utilizá-la em prol da educação, como recurso facilitador de absorção de conhecimento, capaz de influenciar diretamente o sucesso dos alunos. Sendo assim, graças à diversidade dos materiais didáticos e aos avanços consideráveis na qualidade das conexões de internet no Brasil, o mobile learning (educação/aprendizagem móvel) vem ganhando cada vez mais espaço no mercado.




Contudo, a educação a distância levanta inúmeros desafios para a produção de conteúdos multidispositivos. Já que não basta digitalizar textos e inseri-los em uma plataforma online qualquer. É imprescindível elaborar conteúdos objetivos, acessíveis, flexíveis e interativos, planejados para serem acessados em dispositivos móveis, para melhorar a experiência do aluno com o aprendizado, gerar engajamento e reduzir custos com o projeto. 

Isso porque quando um projeto educacional é desenvolvido primeiro para desktop, a versão mobile precisa passar por várias adequações nos elementos para que tudo funcione corretamente no celular. Com isso, em alguns casos, muitos itens são removidos para que o site funcione bem em smartphones e tablets, por exemplo, e a experiência de usabilidade do aluno pode ser comprometida.

Quando este processo é realizado ao contrário, ou seja, o projeto educacional é pensado e elaborado primeiro para dispositivos móveis, é mais fácil ajustá-lo para o computador, pois o excesso de informações foi eliminado antecipadamente. Você terá apenas o trabalho de enriquecer a experiência do aluno.

No entanto, vale destacar que um projeto educacional a distância mobile first traz alguns desafios para o designer instrucional, desenvolvedores e designer, como: telas touchscreen, conexão móvel muitas vezes limitada, análise do comportamento dos usuários e tamanho da tela reduzido, que podem variar de 4 a 6,3 polegadas.




Sendo assim, a equipe responsável pelo projeto educacional precisa redobrar a atenção com relação a arquitetura da informação, usabilidade e acessibilidade do usuário. Ou seja, a prática do mobile first leva os desenvolvedores, designers e designer instrucional a pensarem em quais elementos são prioridades na exibição para o usuário e quais podem ser descartados, dando maior foco ao conteúdo que o usuário irá consumir quando estiver utilizando um pequeno dispositivo. Com isso, a tendência é que os projetos de EAD sejam mais limpos, bonitos e funcionais.

Uma das formas de testar a usabilidade dos projetos (seja na versão web ou em plataformas de EAD) é solicitar que algumas pessoas, com perfil semelhante do seu público-alvo, tente executar tarefas no site ou plataforma, tais como: acessar uma aula ou videoaula, voltar para a home, fazer um exercício, etc. Depois, basta coletar as opiniões das pessoas e analisar onde é possível melhorar e o que deve ser mantido.

 

3- Conclusão






Conforme vimos, para quem atua no segmento de ensino a distância, usar o mobile first para desenvolver projetos educacionais não é mais uma questão de pensar no futuro, mas sim de estar atento ao presente. Afinal, se o mundo inteiro está acessando a internet por dispositivos móveis, não é nada sensato pensarmos em desenvolver projetos educacionais online para serem acessados em computadores. O fato é que pensar primeiro em versões mobile, desfrutamos de várias vantagens, entre elas, podemos destacar:

  • melhor experiência de usabilidade;
  • eliminação do excesso de informações antecipadamente;
  • eliminação de recursos visuais pesados;
  • elaboração de interfaces mais agradáveis;
  • diminuição da taxa de rejeição por parte do usuário.

Além disso, o mobile first visa atrair e reter o públicos-alvo do seu projeto educacional, já que parte-se do pressuposto de que quem realiza um curso a distância ficará ainda mais satisfeito se puder estudar pelo smartphone.

0

Conteúdo de Treinamento, Desenvolvimento de Equipes, Gestão de Recursos Humanos, Gestão de Vendas, Treinamento Corporativo, Treinamento e Desenvolvimento

Introdução


Materiais dinâmicos, atualizados e disponíveis em modo on-line ou até mesmo off-line, que podem ser consumidos a qualquer hora e em qualquer lugar. Sim! Conteúdos digitais – como áudio, vídeo, infográficos, e-books, artigos e imagens – têm sido amplamente utilizados por  empresas para desenvolver treinamentos. O objetivo é melhorar as vendas, a comunicação e a interatividade das equipes internas.


Afinal, além de otimizarem o aprendizado, as tecnologias se tornaram grandes aliadas para transmitir conhecimento de modo dinâmico, facilitando a adesão e despertando maior interesse da equipe.


Mas, como montar treinamentos com conteúdos digitais? É o que veremos neste artigo. Antes, porém, é necessário que você entenda bem o conceito de conteúdo digital, saiba quais são os principais modalidades e como esses tipos de conteúdo podem ser utilizados para engajar e capacitar uma equipe de vendas!


O que é conteúdo digital?


Podemos definir conteúdo digital como tudo aquilo que existe em formato digital, em código binário – sistema de numeração formado por apenas dois algarismos: 0 (zero) e 1 (um).


Ficou confuso com essa explicação técnica? Não se preocupe, pois vamos explicar melhor!


Em outras palavras, podemos classificar conteúdos digitais como materiais informativos que podem ser enviadas por ondas de rádios, stream via internet ou arquivo de computador, a serem consumidos de forma gratuita ou paga.



Quais são os tipos?


Existem diversas modalidades de conteúdos digitais. Confira, agora, uma breve descrição dos principais tipos no âmbito empresarial. Na sequência, veremos como utilizar alguns deles em treinamentos corporativos!


E-books

E-book é todo conteúdo informativo, semelhante a um livro, mas em formato digital. Ele pode ser manuseado em equipamentos eletrônicos – computadores, tablets, smartphones, leitores de livros digitais ou em qualquer outro dispositivo que suporta o recurso.

O formato mais comum para e-book é o PDF, mas ele também pode ser encontrado em HTML e ePUB. São exemplos de empresas que disponibilizam e-books: Amazon Kindle e Play Books.


Imagens

Apesar de ser um tipo de conteúdo facilmente encontrado na internet, existe um vasto mercado para vendas de imagens. Publicitários e designers, por exemplo, têm demandas bastante específicas para criação e comercialização de suas peças e, para isso, precisam respeitar as leis de direitos autorais das imagens. Um bom exemplo de banco de imagens pago é o Shutterstock.


Vídeos

Foi-se o tempo dos CDs e DVDs com vídeos, filmes ou cursos. Você já reparou que os notebooks mais modernos não vêm mais com entrada para leitor de DVD? Pois é! Hoje, os vídeos passaram a ser comercializados ou distribuídos gratuitamente por streaming, sem ocupar espaço no disco rígido (HD) do usuário. Para reproduzir os arquivos, basta ter uma conexão de internet. Com isso, vimos o crescimento de empresas como Youtube e Netflix.


Áudios

O processo de distribuição e/ou comercialização dos arquivos de áudio são bem similares aos de vídeos. Contudo, hoje, na indústria musical, para um (a) cantor (a) fazer sucesso, não existe a necessidade de passar pelos estágios de trabalhar a imagem, gravar em estúdio um CD, lançar o álbum em programas de rádio e TV… Atualmente, uma música pode simplesmente viralizar na internet – no Youtube, Whatsapp ou nas redes sociais. A cantora Ana Vilela, por exemplo, enviou um áudio despretensioso com uma das suas composições para pouquíssimos amigos e viu a música “Trem Bala” estourar no Brasil, ocupando o 42º lugar entre as mais tocadas em rádios do país, e tendo mais de 12 milhões de visualizações no Youtube. O Spotify é um bom exemplo de empresa exclusiva com esse intuito.


Software

De acordo com o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, o software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que permitem o funcionamento do computador ou do celular, na execução das diversas tarefas. O software é criado através de linguagens de programação, que permitem controlar o comportamento de uma máquina. Microsoft e Google são bons exemplos de empresas de software.


Conteúdos
Online

Além dos itens citados acima, a indústria de conteúdos digitais é bastante ampla. Podemos incluir como exemplos: notícias, blogs, canais do Youtube, sites e aplicativos de cursos online.

Como você pôde notar, existem diversos tipos de conteúdos digitais. A questão é: como montar um treinamento com esses conteúdos, de modo a capacitar a sua equipe de vendas? Antes de entrar nesse assunto, vamos explicar os motivos para você apostar em treinamentos com conteúdos digitais.




Por que apostar em treinamento com conteúdo digital?


Treinamentos com conteúdos digitais tornaram-se importantes métodos para instigar novas habilidades, ampliar o desenvolvimento do conhecimento e capacitar profissionais.


Nesse contexto, as empresas têm enxergado no treinamento mobile (móvel) um vasto potencial. Isso porque esse modelo de ensino e aprendizagem permite que a equipe consiga aprender como a mobilidade lhe permite, tendo acesso imediato à informação, quando e onde quiser.


Uma equipe de vendas, por exemplo, pode aproveitar o tempo livre para estudar pequenos blocos de informação, utilizando conteúdos multimídia para facilitar o aprendizado. Ao invés de ter uma sessão de treinamento mensal em um dia e horário específicos, a capacitação móvel permite que colaborador estude e absorva conhecimento no seu próprio ritmo.


Para aqueles que ainda não sabem, mobile learning é o mais sofisticado suporte para treinamentos com conteúdos digitais. Ele apresenta inúmeros benefícios para as empresas e para os colaboradores que o utilizam. O diferencial deste método é o conceito de treinamento mais rápido, com conteúdos digitais dinâmicos, sem utilizar muitos recursos humanos, físicos e financeiros da empresa.


Além de capacitar, aumentar o conhecimento e melhorar a produtividade da equipe de vendas, um treinamento com conteúdos digitais é capaz de motivar os vendedores, fazendo-os perceber que a empresa está investimento em seus potenciais.


Por fim, vale ressaltar a necessidade de atualização constante de uma equipe de vendas. O tempo passa, as coisas mudam e as novidades surgem a todo o momento. Se a sua empresa não mantém o time atualizado sobre as novas tendências, sobre os novos produtos e/ou serviços, ele ficará para trás no mercado. Portanto, sempre que necessário, invista no treinamento da sua equipe!


Como montar um treinamento com conteúdo digital?


No tópico anterior, destacamos a importância dos treinamentos para que a sua equipe de vendas consiga atingir melhores resultados. E, para otimizar o tempo e respeitar o ritmo de aprendizado de cada colaborador, os conteúdos digitais são imprescindíveis. Portanto, agora você aprenderá a elaborar treinamentos com conteúdos digitais!


Os conteúdos digitais vêm sendo adotados por diversas empresas, independe do seu segmento, mas principalmente as que pertencem ao mercado de vendas direta. O objetivo é treinar as equipes sobre técnicas de abordagem, de negociação, produtos, serviços, chegada de novos equipamentos, redesenho de processos, normas de segurança e também para melhorar a interação entre vendedores e clientes.


Além de otimizar o aprendizado, os conteúdos digitais se tornaram grandes aliados para transmitir conhecimento de forma dinâmica e descomplicada, aumentando, inclusive, o interesse da equipe pelo conteúdo abordado.  




Talvez você já até tenha em mente o que a sua equipe precisa aprender. Mas, para facilitar a escolha do assunto do treinamento, faça uma análise de relatórios, reclamações de clientes, sistemas de CRM, enfim, todos os dados que possam indicar os pontos que o grupo precisa melhorar.


Em seguida, selecione alguns colaboradores e pergunte o que eles querem aprender. Esse tipo de pesquisa pode ser presencial ou por meio de enquetes online. O importante não é como ela será feita, mas sim o que a equipe tem interesse em melhorar.


O terceiro passo é ver quais são as necessidades estratégicas da empresa. Reflita, por exemplo, se é interessante utilizar um aplicativo de celular nas visitas comerciais, com materiais e apresentações já preparados, com vídeos e recursos interativos. Será que os vendedores precisarão passar por treinamento para operar esse aplicativo? Leve esse tipo de situação em conta para definir o tema do treinamento de vendas.


Um treinamento moderno e de qualidade deve conter vídeos, e-books para consulta, imagens para complementar o conteúdo escrito e conferir uma multiplicidade de possibilidades para o aprendizado. Devemos sempre lembrar que as pessoas são únicas e aprendem de forma diferente. Umas preferem aprender lendo, outras assistindo um vídeo ou ouvindo um áudio.


As imagens – entenda aqui também infográficos – são utilizadas para ilustrar o texto escrito, auxiliando no processo de associação do conteúdo. Em certos casos, algo bastante complexo de se explicar em palavras pode ser detalhadamente exemplificado em fotografias, quadrinhos e infográficos.


Os vídeos são um dos principais recursos que podem – e devem – ser trabalhados em um treinamento,  principalmente se ele for em formato mobile ou EaD tradicional. Eles auxiliam na inovação do aprendizado, possibilitando uma maior interação com o usuário, além de exigirem menor esforço para assimilar informações importantes.


Estudos indicam que os alunos se lembram de 50% do que ouvem e veem contra apenas 10% dos que leem. Ou seja: utilizar vídeos em treinamentos torna a absorção do assunto mais fácil, e ainda permite uma maior aproximação da equipe, fazendo com que todos se engajem mais com a capacitação.


Na hora de gravar vídeos para o seu treinamento, aposte no visual (atenção para não poluir as videoaulas com muitas artes, letreiros, etc.), no tipo de linguagem (que deve ser a mais próxima da equipe) e na interação. Se possível, mostre e exemplifique o que está sendo dito no vídeo.


O tempo de duração do vídeo pode variar bastante, e isso vai depender do formato do seu treinamento (mobile, web, semi-presencial, etc.). Se optar por um treinamento mobile, é recomendável que cada vídeo tenha, no máximo, cinco minutos. Para tanto, é necessário que os vídeos sejam objetivos e que o apresentador/especialista vá direto ao assunto.


Caso escolha trabalhar com vídeos para web, disponibilizados no site da empresa ou no Youtube, eles podem ter tempo de duração superior a cinco minutos – você não precisa se preocupar com o tempo máximo. O importante é que você saiba que, com uma edição dinâmica, os vídeos podem ser utilizados tanto para explicar conteúdos extensos quanto mais curtos.


Se a sua empresa está com o orçamento apertado para alugar um estúdio de gravação, saiba que é possível produzir ótimos vídeos dentro da própria empresa – ou até mesmo na sua casa. Para isso, basta optar por um local agradável e silencioso (para que não haja ruídos ao fundo). Também é imprescindível ter atenção com o plano de fundo do vídeo: lugares com muitos objetos ou com cores fortes podem distrair o expectador. Use o bom-senso!




Para gravar os vídeos do seu treinamento, você irá precisar, no mínimo, de microfone, câmera e computador (para editar o material). Se o seu orçamento não permite a contratação de um editor de vídeos, fique calmo! Na internet, você encontra várias opções gratuitas de tutoriais sobre os passos básicos da edição. O próprio Sistema Operacional Windows oferece o programa Windows Movie Maker para edição de vídeos.


Para treinar a sua equipe de vendas, você também pode apostar em podcasts – independente do formato do treinamento.  Trata-se de um recurso fácil para produzir e para ser reproduzido em smartphones e computadores.


Podcasts
simples podem ser gravados no seu próprio computador (caso ele tenha placa de som e você instale um software para gravação de áudio). A gravação pode ser feita em diversos formatos, como Mp3 e Mp4.  


Se você domina o assunto, por que não transmitir parte do seu conhecimento para a equipe de vendas?
Fale sobre os produtos comercializados pela empresa, sobre a importância do pós-venda, ensine as melhores técnicas de abordagem, as técnicas de negociação e vendas, apresente a cultura da empresa…


Você pode utilizar uma linguagem informal para gravar os seus
podcasts. Busque inspiração em programas de rádio e, no momento da edição, insira uma boa e agradável trilha sonora de fundo. É importante que a trilha não fique muito alta, para não desviar o objetivo principal do podcast: transmitir conhecimento!


Se possível, convide outras pessoas para falar sobre o assunto da aula/curso ou para mediar o “programa” e interagir com você.


Depois que os seus
podcasts estiverem gravados, edite-os. É importante cortar os erros, inserir as vinhetas de abertura e encerramento, e, por fim, a trilha de fundo.


Outros recursos que também podem ser incluídos são os exercícios de fixação. Você pode elaborar questões de múltipla escolha, de lacuna, etc. O mais importante é conseguir mensurar a eficiência do treinamento; saber se as pessoas estão realmente conseguindo absorver o que estão lendo, vendo ou ouvindo.


Antes de começar a montar o seu treinamento – com vídeos,
podcasts, e-books, exercícios e demais conteúdos digitais -, é importante que você defina bem o objetivo da capacitação e onde irá disponibilizar o material (mobile, blog, site, intranet…).


Se optar por um treinamento mobile, existem hoje, no mercado, plataformas exclusivas para a criação de aplicativos educacionais e de treinamento móveis.


Só para se ter uma ideia, um aplicativo móvel é composto por duas etapas:


– painel administrativo:
local onde serão inseridos, editados, formatados e publicados os conteúdos do seu treinamento. O acesso ao painel administrativo é por meio do navegador de internet. Através dele, também é possível publicar os Termos e Condições de Uso, FAQ (Perguntas Frequentes) e demais informações que serão exibidas no aplicativo para o usuário final.


– aplicativo para smartphone:
a equipe de vendas faz download do aplicativo no Google Play (sistema operacional Android) e Apple Store (sistema operacional IOS). O app é instalado no smartphone ou tablet de cada colaborador. Quando ele acessa o app e faz algumas ações, o aplicativo se conecta ao painel administrativo para buscar os conteúdos publicados.




Conclusão


Vender é uma atividade relacionada – de forma direta ou indireta – à resolução de problemas. Nesse contexto, o treinamento é a forma ideal de auxiliar a equipe de vendas a entender, antecipar e exceder as necessidades dos consumidores.


Para conseguirem exercer suas atividades com excelência, os vendedores precisam de preparo. E a preparação da equipe é um investimento que deve ser feito pela empresa, através de constantes treinamentos.


Independente do formato escolhido, o sucesso de um treinamento de vendas irá depender da correta execução das etapas de análise da necessidade, desenho e implementação do plano de treinamento, escolha dos conteúdos digitais e avaliação dos resultados. Esta última pode ser feita através de simulados, provas e, por fim, emissão de certificados.


Graças à diversidade dos materiais didáticos e aos avanços consideráveis na qualidade das conexões de internet, hoje, é possível montar treinamentos digitais extremamente criativos e versáteis. Além dos textos para leitura, a sua capacitação pode (e deve) conter videoaulas, podcasts, ilustrações e gráficos, que certamente influenciarão os resultados do processo de vendas.


A elaboração do material didático pode até ser uma tarefa árdua e complexa à primeira vista, mas com um bom planejamento, você certamente conseguirá qualificar e engajar a equipe para, posteriormente, obter sucesso nas vendas!


Plataforma mobile


Criada em 2013, a mLearn é uma startup focada em aprendizagem móvel que possibilita para instituições educacionais e empresas a entrega de programas educacionais via smartphones, usando gamificação e ferramentas de aprendizagem social.


A plataforma mLearn é voltada para usuários de smartphones que pretendem complementar e/ou reforçar seus estudos nas horas vagas, em deslocamento (indo e voltando para a escola ou trabalho) ou mesmo em casa, ou no trabalho, e também para funcionários de empresas que precisam de qualificação específica, como treinamento de força de vendas.


A ferramenta possui diversas funcionalidades: cursos, provas, certificados, exercícios, socialização, notícias, entre outras. Um dos diferenciais é que a plataforma é integrada com as redes sociais e o aprendiz participa de um jogo onde tudo o que ele faz é avaliado e pontuado, e, à medida que ele estuda, ganha pontos, medalhas e vai mudando de nível.


Em 2014, a empresa teve o seu plano de negócios destacado pelo programa de Inovação e Empreendedorismo da Universidade de Standford, na Califórnia. A startup já capacitou mais de cinco milhões de pessoas com cursos rápidos nas quatro principais operadoras do país, e conta com um sistema de distribuição de cursos e treinamentos prontos direcionados para áreas diversas.


Caso você tenha alguma dúvida ou sugestão sobre este assunto, não deixe de entrar em contato conosco, combinado? Até a próxima!

0

Conteúdo de Treinamento, Desenvolvimento de Equipes, Gestão de Recursos Humanos, Treinamento Corporativo, Treinamento e Desenvolvimento

 

A Universidade Corporativa é um campo de desenvolvimento de competências essenciais para o sucesso dos colaboradores e, consequentemente, da empresa.

 

Mas, apesar de atrair cada vez mais instituições e demonstrar resultados eficientes, o conceito ainda é pouco conhecido. Como acontece nas universidades tradicionais, a UC desenvolve habilidades e competências em seus alunos, mas com um diferencial: o aprendizado está focado em atender às necessidades da empresa, ampliando suas vantagens competitivas.

 

O que é Universidade Corporativa?

 

A Universidade Corporativa – ou Universidade Empresarial – é uma rede de conhecimento e ensino ligada a uma empresa. Ela oferece aos colaboradores conteúdos de treinamento, cursos técnicos e até cursos de graduação.

 

Mas você deve estar se perguntando: qual é, então, a diferença da Universidade Corporativa para a Universidade Tradicional?

 

Ao contrário das faculdades clássicas, a UC tem como objetivo atender às necessidades específicas da empresa. É como se ela fosse um espaço de apoio às limitações técnicas e habilitacionais. Assim, as metas dos treinamentos são muito bem definidas e alinhadas às estratégias da organização.

 

Essa condição permite um alto grau de personalização, já que é possível definir um plano de estudo exclusivo para os funcionários, levando em conta as lacunas e as dificuldades individuais e particulares.

 

Perceba: ao invés de iniciar uma longa pesquisa de cursos, palestras ou workshops que atendem só em certo ponto às aspirações da empresa, não seria melhor ter um processo educacional desenhado especialmente para ela?




Universidade Corporativa como condição para o sucesso empresarial

 

Hoje, as empresas começam a perceber que o sucesso é muito mais significativo quando está alinhado ao desenvolvimento de seus profissionais. Isso porque quando os colaboradores sentem que podem evoluir junto com a organização, eles se tornam mais comprometidos e motivados com o trabalho e com as metas.

 

E uma das principais formas das empresas contribuírem para o crescimento dos funcionários é investindo na educação corporativa. Por meio da Universidade Corporativa, é possível criar, ampliar,  distribuir e gerenciar o conhecimento dentro da instituição.

 

Com foco direcionado na gestão de resultados, a UC auxilia na atração e na retenção de talentos para uma equipe e no desenvolvimento de competências. Além disso, ela é um excelente meio para divulgar e reforçar a missão, a cultura, a visão e os valores organizacionais.

 

As vantagens da Universidade Corporativa Móvel

 

Existem diferentes formas de acesso à UC: online, ead (educação a distância), mobile... Dentre elas, o mobile learning (modalidade móvel) se destaca, já que apresenta diversas vantagens tanto para a empresa quanto para os funcionários.

 

A Universidade Corporativa Móvel é aquela desenvolvida para dispositivos móveis – como tablets e smartphones. Ela representa, primeiramente, uma grande economia, pois poupa gastos com infraestrutura e material físico.

 

Outro benefício é que o processo de aprendizagem se torna mais padronizado, já que todos os colaboradores terão acesso aos mesmos materiais. Além disso, existe a praticidade de ter os conteúdos no celular, sendo possível consultá-los a qualquer hora e em qualquer lugar.




Universidade Corporativa: como implementar?

 

Para desenvolver e implementar a Universidade Corporativa, é importante apoiar-se em algumas estratégias. Em primeiro lugar, é preciso conhecer as maiores necessidades da empresa e dos funcionários no que se refere à capacitação.

 

Nesse ponto, é fundamental o envolvimento e o acompanhamento do RH e dos gestores, de modo a tornar o processo mais eficiente e mais alinhado com os objetivos corporativos. Não custa ressaltar, assim, que os conteúdos que integrarão a UC devem se relacionar com a visão, missão e cultura organizacional.

 

Além disso, é necessário escolher a solução tecnológica que servirá como suporte para Universidade Corporativa. Plataformas de ensino a distância têm se mostrado bastante eficientes nesse sentido, pois permitem a inclusão de recursos que enriquecem e estimulam o treinamento. Conteúdos multimidiáticos, gamificação e socialização são apenas alguns desses mecanismos!

 

Plataforma mobile

 

Criada em 2013, a mLearn é uma startup focada em aprendizagem móvel que possibilita para instituições educacionais e empresas a entrega de programas educacionais via smartphones, usando gamificação e ferramentas de aprendizagem social.

 

A plataforma mLearn é voltada para usuários de smartphones que pretendem complementar e/ou reforçar seus estudos nas horas vagas, em deslocamento (indo e voltando para a escola ou trabalho), em casa, ou no trabalho – e também para funcionários de empresas que precisam de qualificação específica.

 

A ferramenta possui diversas funcionalidades: cursos, provas, certificados, exercícios, socialização, notícias, entre outras. Um dos diferenciais é que a plataforma é integrada com as redes sociais e o aprendiz participa de um jogo onde tudo o que ele faz é avaliado e pontuado. Assim, à medida em que estuda, ele ganha pontos, medalhas e vai subindo de nível.

 

Em 2014, a empresa teve o seu plano de negócios destacado pelo programa de Inovação e Empreendedorismo da Universidade de Standford, na Califórnia. A startup já capacitou mais de 5 milhões de pessoas com cursos rápidos nas quatro principais operadoras do país, e conta com um sistema de distribuição de cursos e treinamentos prontos direcionados para áreas diversas.

0

Conteúdo de Treinamento, Desenvolvimento de Equipes, Gestão de Vendas, Treinamento Corporativo

São inúmeras as facilidades que a tecnologia traz, todos os dias, para as nossas vidas. Tarefas que antes exigiam esforço físico ou de locomoção são feitas, hoje, com um único clique, sem que tenhamos que sair do lugar.


E você já parou para pensar que essa comodidade também pode ser utilizada no treinamento de funcionários e equipes de vendas?
Entenda mais!

Por que treinar o time de vendas?

O setor de vendas é um dos principais alicerces de qualquer empresa – já que seu desempenho é responsável direto pelo faturamento da organização. Portanto, é essencial que o time seja qualificado, coeso e eficiente.


Além disso, vivemos um novo contexto de consumo. Nele, a experiência e a impressão que o cliente tem durante o atendimento são fatores determinantes para a concretização
(ou não) da compra.


Nesse cenário, o treinamento corporativo surge como vantagem estratégica. Mais do que desejável, a capacitação da equipe de vendas se tornou essencial para que uma empresa continue competindo e faturando no mercado.


Se bem planejado e executado, o treinamento melhora o desempenho e o atendimento dos funcionários, promove a atualização de  conhecimentos e habilidades e ainda aumenta a motivação da equipe.



Vantagens de aliar tecnologia ao treinamento

Quando o assunto é treinamento, um grande dilema enfrentado pelas empresas são os altos custos envolvidos. A tecnologia, contudo, vem ajudar nessa questão.

Imagine a seguinte situação:
você deseja capacitar sua equipe sobre “inovação nas vendas”. Nesse caso, ao invés de organizar uma palestra ao vivo, não seria mais interessante gravar um vídeo com o especialista e disponibilizá-lo para os funcionários? Além de não prejudicar o conteúdo a ser transmitido, você elimina os gastos com infraestrutura e material.

Além disso, os treinamentos se tornam mais efetivos quando promovem espaços para discussão e socialização entre os funcionários. E é simples implementar isso por meio de fóruns e comentários virtuais, que aumentam a interação e, consequentemente, o engajamento dos funcionários.


Como utilizar a tecnologia para treinar uma equipe de vendas?

O uso da tecnologia enriquece bastante o treinamento de equipes de vendas. É possível, por exemplo, desenvolver um aplicativo com os conteúdos de capacitação e compartilhá-lo com o time. Assim, os funcionários terão flexibilidade para treinar onde e quando for mais conveniente, utilizando o próprio celular.  


Nesse contexto, alguns recursos e ferramentas podem potencializar e estimular o aprendizado dos funcionários. Vamos descobrir quais são eles!


Conteúdos multimídia

Materiais multimidiáticos – vídeos, podcasts, imagens, textos, infográficos… – são estratégias importantes para tornar o treino da equipe mais dinâmico.


Gamificação

Incluir elementos de games – pontuação, ranking e medalhas – no processo de treinamento engaja e motiva a equipe a alcançar os resultados esperados.


Exercícios

Treinamentos são mais eficazes quando associam a teoria à prática. Por isso, é interessante oferecer atividades e exercícios para que a equipe teste aquilo que aprendeu.


Certificação

Oferecer certificados de conteúdos e cursos realizados com sucesso te ajuda a medir a aderência e a eficiência da capacitação.




Plataforma mobile

Criada em 2013, a mLearn é uma startup focada em aprendizagem móvel que possibilita para instituições educacionais e empresas a entrega de programas educacionais via smartphones, usando gamificação e ferramentas de aprendizagem social.


A plataforma mLearn é voltada para usuários de smartphones que pretendem complementar e/ou reforçar seus estudos nas horas vagas, em deslocamento (indo e voltando para a escola ou trabalho) ou mesmo em casa, ou no trabalho, e também para funcionários de empresas que precisam de qualificação específica, como treinamento de força de vendas.


A ferramenta possui diversas funcionalidades: cursos, provas, certificados, exercícios, socialização, notícias, entre outras. Um dos diferenciais é que a plataforma é integrada com as redes sociais e o aprendiz participa de um jogo onde tudo o que ele faz é avaliado e pontuado, e a medida que ele estuda ganha pontos, medalhas e vai mudando de nível.


Em 2014, a empresa teve o seu plano de negócios destacado pelo programa de Inovação e Empreendedorismo da Universidade de Standford, na Califórnia. A startup já capacitou mais de cinco milhões de pessoas com cursos rápidos nas quatro principais operadoras do país, e conta com um sistema de distribuição de cursos e treinamentos prontos direcionados para áreas diversas.


Caso você tenha alguma dúvida ou sugestão sobre este assunto, não deixe de entrar em contato conosco, combinado?

0

Aprendizagem Móvel, Conteúdo de Treinamento, Conteúdo Educacional, Gestão de Recursos Humanos, Gestão de Vendas

Criação: Cláudio Almeida

Depois de desenvolver o seu plano de curso e ter em mãos todo o material bruto que será usado na criação do seu curso, está na hora de elaborar as aulas, exercícios, roteiros de vídeo e de podcasts!

Nessa etapa, é importante pensar sempre no seu público-alvo e ter muita atenção. A fase de elaboração do conteúdo será, sem dúvida, o seu maior desafio até aqui. Portanto, vamos direto ao assunto!


AULA TEXTUAL:
para elaborar o conteúdo textual, é preciso considerar alguns pontos fundamentais à construção do texto:


– Objetividade:
o texto deve ser argumentativo e explicativo. Evite o pensamento impreciso e o desvio de assunto em considerações prolixas.


– Clareza:
apresente as ideias com clareza. Argumente e explique – sem querer impressionar o aluno com um vocabulário complexo. A aula textual deve conter parágrafos curtos.


Mas, atenção
: o parágrafo curto não pode dificultar a compreensão do aluno.  Portanto, é indicado que cada parágrafo tenha uma ideia central.


– Coerência:
para que o texto seja compreensível e faça sentido para o aluno, você precisa apresentar uma continuação lógica das ideias. Ou seja: não desvie do assunto com considerações que pouco (ou nada) acrescentam ao tema da aula.


– Exatidão:
evite termos imprecisos como: grande, muito, pouco, pequeno, menor, todos, vários, nenhum… Em um curso, é aconselhável incluir porcentagens, a fim de comprovar o que está sendo dito – e não se esqueça de citar as fontes. Ao invés de escrever, “Grande parte da população brasileira utiliza telefone celular”, escreva “De acordo com a pesquisa XX, 90% da população brasileira utiliza telefone celular”.


– Homogeneidade:
é importante padronizar seu texto, evitando sucessivas mudanças nas formas de tratamento, pessoa gramatical e outros itens. A uniformidade não serve apenas para o seu conteúdo textual, mas sim para todos os conteúdos do seu curso (quantidade de exercícios por aula, quantidade de videoaulas por módulo, quantidade de podcasts por módulo, etc.).


Por se tratar de um curso para dispositivos móveis (onde as telas são menores), é importante que a aula textual não seja muito extensa. Não existe limite de caracteres, mas é importante pensar sempre na usabilidade do aluno. Afinal, ninguém gosta de ficar descendo a barra de rolagem “infinitamente” e se perder na leitura.


Além disso, utilize imagens para ilustrar o assunto abordado na aula
. Com relação ao formato, opte por imagens na horizontal (landscape). Esteticamente, elas ficam melhores no aplicativo.


Importante!
Se você não tem verba disponível para comprar imagens, você pode baixá-las em bancos de imagens gratuitos, disponíveis na internet. Pesquise!


Por fim, se você tiver habilidade com as ferramentas de tratamento,
não hesite em editar as imagens do seu curso. Insira legendas, artes e itens que podem facilitar a compreensão do aluno.


EXERCÍCIOS:
defina a dinâmica de exercícios do seu curso mobile: por aula ou por módulo. Independente da opção escolhida, você pode elaborar exercícios de múltipla escolha, verdadeiro ou falso, preencha a lacuna, etc. Vamos conhecê-los:


– Múltipla escolha:
exercícios de múltipla escolha estão entre as formas mais precisas de testar os conhecimentos do aluno. Exercícios como esses apresentam várias opções de pergunta – das quais somente uma alternativa é correta, e as demais são “falsas”. Lembre-se de fazer perguntas diretas!


– Sim ou Não (Verdadeiro ou Falso):
envolve fazer uma pergunta para que o aluno selecione apenas entre sim e não.

Exemplo: “É correto afirmar que as habilidades para negociar são natas?”.

  1. (   ) Sim
  2. (   ) Não

– Preencha as lacunas: este tipo de questão não oferece dicas. Isso permite uma série de possibilidades de resposta e exige dos alunos real conhecimento sobre o tema. Utilizar muitas lacunas, no entanto, não é a forma mais convencional para testar o conhecimento.

Exemplo: O bom negociador sabe que tudo pode ser ________.

  1. omitido.
  2. negociado.
  3. trapaceado.

Caso você esteja desenvolvendo um curso de idiomas – e a plataforma utilizada seja compatível – você também pode elaborar exercícios do tipo “escute e repita” e “escute e escreva”.


Independente do formato de exercício escolhido, é importante ressaltar 4 pontos-chave que aumentam o engajamento do aluno:

– feedbacks rápidos nos exercícios;
– enunciados claros, consistentes e objetivos; 
– frases simples de serem lidas e conteúdos explícitos – tanto nas questões quanto nas alternativas;
– exercícios para “encontrar/selecionar” alternativas corretas. Portanto, evite desenvolver exercícios do tipo: Selecione a afirmativa FALSA.


PODCASTS:
são arquivos de áudio digital. Eles vêm sendo bastante utilizados em cursos mobile, devido à simplicidade de produção e à facilidade de reprodução em smartphones.


Podcasts
mais simples podem ser gravados no seu próprio computador, desde que ele tenha placa de som e você instale um software para gravação de áudio. A gravação pode ser feita em diversos formatos, como Mp3 e Mp4.


Você pode utilizar uma linguagem informal para gravar os seus podcasts. Busque inspiração em programas de rádio e, no momento da edição, insira uma boa e agradável trilha sonora. É importante que a trilha não fique muito alta a ponto de desviar o objetivo principal do podcast: transmitir conhecimento.


Antes de começar a gravar os podcasts, elabore roteiros (pautas). Lembre-se: os roteiros devem ajudá-lo, e não atrapalhá-lo. O que isso quer dizer? Que você não precisa ficar preso ao que está escrito!


Se possível, convide outras pessoas para falar sobre o assunto da aula/curso ou para mediar o “programa”, interagindo com você.


Depois que os seus
podcasts estiverem gravados, edite-os. É importante cortar os erros, inserir as vinhetas de abertura e encerramento, e, por fim, a trilha de fundo.


Ouça um exemplo de um podcast 
produzido pela mLearn! 


VIDEOAULAS: existem várias maneiras de ensinar através de videoaulas, especialmente quando nos referimos ao modelo mais tradicional e intuitivo: uma pessoa em um estúdio, centralizada na tela, explicando verbalmente o conteúdo – que é ilustrado ou complementando com letreiros e artes.


As videoaulas são importantes porque aumentam a interação com o aluno, diminuindo a sensação de distância
. Selecione assuntos interessantes para tratar – pode ser o mesmo assunto da aula textual ou um tema complementar.


Utilize uma linguagem apropriada ao seu público-alvo. Seja objetivo e vá direto ao assunto, sem ficar enrolando ou “divagando”. Para videoaulas mobile, o ideal é que elas tenham entre 03 e 05 minutos, no máximo!


Além disso,
não tenha medo de inserir gráficos, animações, slides e sons que aumentam o engajamento nas videoaulas!


Dica: se você não tem verba para alugar um estúdio, saiba que é possível fazer videoaulas dentro da sua própria casa, com ótima qualidade. Basta optar por um ambiente agradável e silencioso – para que não haja ruídos ao fundo. Um áudio ruim desestimula o aluno.


Também é importante ter atenção com o fundo do vídeo! Lugares com muitos objetos ou com cores fortes podem distrair o espectador. E ninguém quer que o aluno preste mais atenção em objetos decorativos do que na informação que está sendo transmitida, não é? O ideal é que o aluno esteja 100% imerso no conteúdo.


O excesso ou a falta de luz também pode desviar a atenção de quem está assistindo. Por isso, vale a pena adquirir um equipamento básico de iluminação. Mas, se não houver recurso para isso, utilize a luz ambiente de áreas externas, posicionando a câmera sempre de costas para o sol.


Lembre-se: luz ambiente (sol, lua, estrelas) é diferente de luz artificial (lâmpadas caseiras, postes de luz)!
 


Para gravar suas videoaulas, você irá precisar de microfone, câmera e computador (para a edição dos arquivos). Se o orçamento não permite a contração de um editor de vídeos, fique calmo! Na internet, você encontra várias opções gratuitas de tutoriais sobre os passos básicos da edição. O próprio Sistema Operacional Windows oferece o programa
Windows Movie Maker para edição de vídeos.


Veja
um exemplo de uma videoaula produzida pela mLearn:


E MAIS:

Além de videoaulas, podcasts e e-books, aposte também em INFOGRÁFICOS para enriquecer os seus conteúdos, explorando a parte visual e gráfica.


Para elaborar um infográfico, utilize ilustrações, gráficos e adicione pequenos textos!


EXEMPLO:


Pronto! O seu curso mobile está pronto. E agora, o que você deve fazer? Este será o assunto do nosso próximo artigo!

Para aqueles que estão “pegando pela metade” a nossa série de artigos sobre Produção de Conteúdos Mobile, vale a pena acessar a parte I, parte II e a parte III.

0

Aprendizagem Móvel, Conteúdo de Treinamento, Conteúdo Educacional, Planejamento de Treinamento

Criação: Júlia Boaventura

Não há como discordar que as imagens desempenham um papel fundamental em nossa vida. Todos os dias, nos deparamos com centenas de fotos, gráficos, ilustrações, infográficos e muito mais. E acredite: elas causam um enorme impacto em nossos costumes, hábitos de consumo, forma de pensar e até de agir.

Quando utilizadas no aprendizado, as imagens ensinam, reforçam, auxiliam. Além de serem atrativas e facilitarem a memorização, elas ainda conseguem transmitir informações de uma forma muito rápida. Para entender mais sobre o assunto, confira o infográfico!


0

Aprendizagem Móvel, Conteúdo de Treinamento, Conteúdo Educacional, Planejamento de Treinamento

Criação: Cláudio Almeida

Se você pretende desenvolver o seu próprio conteúdo, poupando gastos com a contratação de especialista/conteudista, é necessário fazer uma seleção criteriosa do material bruto a ser trabalhado no curso.

 

Utilize o seu senso-crítico e investigativo para fazer pesquisas sistemáticas. Não fique preso apenas aos arquivos textuais (PDF, livros, jornais e apostilas), assista vídeos, apresentações, palestras…

 

Para ajudá-lo a encontrar e selecionar os melhores conteúdos brutos, responda às seguintes perguntas:

  • Qual é a relação do conteúdo encontrado com os objetivos que estou propondo para o meu curso?
  • Como posso trabalhar o conteúdo macro dos módulos?
  • Quais habilidades esses conteúdos brutos podem desenvolver ou aprimorar nos alunos?

 

Atenção! Todo conteúdo reaproveitado deve ser adaptado ao ambiente mobile e ao contexto do seu curso. Utilize o tipo de linguagem ideal para o seu público-alvo.  Quanto mais próximo da realidade do aluno estiver o seu texto, maior será a possibilidade de assimilação do conteúdo.

 

Depois de selecionar os conteúdos e organizá-los, você poderá dividi-los em relevantes, irrelevantes e complementares. Separe-os e seja criterioso em suas escolhas.

 

Observações:

  1. A internet é uma grande fonte de informação, mas tome cuidado com conteúdos falsos ou incompletos que estão espalhados por aí. Analise tudo o que você encontrar – e não utilize apenas um site como referência.
  2. Não se prenda apenas às pesquisas na internet. Leia livros, assista documentários, telejornais, ouça podcasts educacionais. Para elaborar o seu curso, é importante conhecer o tema de forma completa.

 

  • Cuidado com a lei de Direitos Autorais. Você só pode reproduzir e comercializar livremente um conteúdo se tiver o direito patrimonial sobre ele. Vale lembrá-lo que esta regra é válida para qualquer tipo de conteúdo: textos, músicas, vídeos, podcasts, imagens. Que tal um post sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

 

  • É extremamente importante adaptar (reescrever com suas próprias palavras) todo o material bruto, apresentando as fontes sempre que necessário. No entanto, não há necessidade de fazer citação de conteúdos de conhecimento comum (fatos históricos ou amplamente conhecidos).

 

  • Quer utilizar materiais livres para uso comercial? No Brasil, uma obra é colocada em domínio público depois de 70 anos do falecimento do autor. Essas produções estão reunidas no Portal Domínio Público. Para acessá-lo, clique no link, a seguir:

 

http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp



Por enquanto é isso, pessoal.  Caso você ainda não tenha lido as outras partes do artigo, clique aqui e saiba por que desenvolver conteúdos mobile, e aqui para montar o planejamento desses conteúdos. No próximo episódio, vamos ensinar como elaborar – de fato – um conteúdo mobile.  Não perca!

0

Aprendizagem Móvel, Conteúdo de Treinamento, Conteúdo Educacional, Planejamento de Treinamento
Criação: Cláudio Almeida

Acredito que a melhor forma de apresentar as diretrizes para a criação de conteúdo mobile seja por tópicos. Portanto, neste artigo, tentarei mostrar da maneira mais didática possível como desenvolver um curso – desde o planejamento, passando pela elaboração do conteúdo até a sua publicação ( e partindo da ideia de que você já definiu o assunto que irá abordar).

PORÉM

Vale destacar que, em empresas de educação mobile, o responsável pelo planejamento e desenvolvimento de conteúdos, pela seleção de materiais e organização das informações é o conteudista – de modo geral.

Todo esse conteúdo serve como base para a elaboração do material pedagógico e, consequentemente, para a construção do curso mobile (aulas textuais, exercícios, videoaulas, podcasts, e-books, etc.). Essa segunda etapa é realizada por um designer instrucional, também conhecido como design educacional (profissional responsável por facilitar o processo de educação e aprendizagem, utilizando, para isso, um conjunto de técnicas, métodos e recursos). Em breve, faremos um post sobre  o assunto.

Contudo, mesmo que você não tenha um profissional da área da educação em sua equipe, isso não te impede de elaborar conteúdos eficazes, na base do faça você mesmo. Sem mais delongas, acompanhe a seguir como desenvolver o seu curso mobile!


#PLANO DE CURSO

O Plano de Curso é a primeira etapa do projeto, e é uma das partes mais importantes de um conteúdo educacional. O documento deve apresentar o objetivo geral, os objetivos específicos, os conteúdos, as metodologias, os procedimentos e as técnicas que serão utilizadas no processo de ensino-aprendizagem do curso.

O Plano de Curso deve conter, no mínimo, as seguintes orientações: nome do curso, objetivo geral, objetivos específicos, títulos dos módulos, títulos das aulas e o plano de mídia. Confira o passo a passo para você elaborar um plano de curso!

  • Nome do curso: todo curso precisa de um tema principal. Escolha um nome que desperte o interesse do aluno. Em se tratando de conteúdo mobile learning, o título deve ser o mais curto e objetivo possível. Mas, lembre-se, ele deve refletir todo o conteúdo do curso.  

Exemplo: Técnicas de Negociação

  • Objetivo geral: aqui, você deverá inserir o que se pretende atingir com o curso. O texto deve ser redigido de forma clara e no tempo infinitivo (capacitar, descrever, ampliar, analisar, descobrir). Importante: o objetivo geral deve ser alcançável!

Exemplo: Este curso tem por objetivo desenvolver estratégias de negociação como forma de lidar com situações de conflitos e influenciar o ambiente organizacional.  

  • Objetivos específicos: são os passos adicionais que irão colaborar para que o curso alcance o objetivo geral. Para elaborá-los, você também pode utilizar verbos no infinitivo.

Exemplo: 1- Identificar os conceitos de negociação. 2- Identificar os fatores envolvidos no processo de negociação. 3- Identificar as etapas do processo de negociação. 4- Capacitar o aluno para gerenciar os conflitos nos casos de impasse na negociação.

  • Carga horária: defina quanto tempo o aluno precisará se dedicar aos estudos. Para isso, é necessário considerar o tema do curso (simples ou complexo), o tempo de execução de cada atividade (aulas textuais, videoaulas, podcasts, exercícios, prova final), além do tempo necessário para releitura do material, se necessário.

Lembre-se: por se tratar de um curso para dispositivos móveis, o aluno  certamente não deseja passar muitas horas à frente de uma tela pequena lendo textos, assistindo videoaulas ou ouvindo podcasts extensos após um dia cansativo de trabalho.

Exemplo: o curso terá duração de 10 horas, distribuídas em 04 módulos, de 05 aulas cada.

  • Metodologia de ensino: geralmente, a metodologia de ensino para um curso mobile é autoinstrucional. Ou seja: é um curso autoexplicativo. Nesse modelo, o aluno tem liberdade nos estudos e não depende diretamente de outros profissionais (professor ou tutor) para aprender – a não ser pela seleção e elaboração de um bom material de ensino. Assim, o aluno não tem obrigação de cumprir horários pré-estabelecidos de estudo, o que possibilita maior flexibilidade de estudo.

A metodologia autoinstrucional exige que o aluno reflita e entenda sobre o conteúdo antes de passar para outro módulo. O aprendizado é acontece por meio de vários recursos: vídeos, podcasts, hiperlinks, artigos, sempre mediados pelo ambiente mobile.

Nesta metodologia de ensino, é importante que o aluno faça uma prova ao final do curso. Atividades não avaliativas, como exercícios ao final de uma aula ou de um módulo, também são disponibilizados para que o usuário coloque em prática o que aprendeu.

Atenção! Como você pode imaginar, um curso autoinstrucional exige muito cuidado em sua elaboração para que tudo aconteça dentro do previsto.

  • Recursos metodológicos: defina os recursos que serão utilizados no seu curso – aplicativo, textos, e-books, videoaulas, podcasts, infográficos, gamificação, storytelling.  Destaco 05 destes recursos abaixo:

– Aplicativo: desenvolvido sob medida para dispositivos móveis, pode combinar aulas textuais, conteúdos multimídia (videoaulas e podcasts), gamificação e mecanismos para interação entre os alunos (chats, fóruns, comentários.).

Caso você não tenha conhecimentos técnicos e habilidades em design e em criação de software para desenvolver o seu próprio aplicativo, saiba que existem plataformas para ajudá-lo nesta árdua, porém indispensável tarefa. A mLearn Educação Móvel possui uma plataforma para criação de aplicativos educacionais móveis bastante flexível, onde você poderá utilizar todos os recursos metodológicos que irá desenvolver para o seu curso.

Um aplicativo é composto por duas etapas:

– painel administrativo: local onde serão inseridos, editados, formatados e publicados os conteúdos do seu curso. O acesso ao painel administrativo é feito por meio do navegador de internet. Nele, também é possível publicar os Termos e Condições de Uso, FAQ (Perguntas Frequentes) e demais informações que serão exibidas no aplicativo para o usuário final.

– aplicativo para smartphone: o usuário faz download do aplicativo no Google Play (sistema operacional Android) e Apple Store (sistema operacional IOS). O app é instalado no smartphone ou tablet do usuário. Quando o aluno entra no app e faz algumas ações, o aplicativo se conecta ao painel administrativo para buscar os conteúdos publicados.

– Videoaulas: recurso didático que utiliza o vídeo como forma de transmissão do conteúdo. Com imagens e som, é possível se aproximar do público-alvo – acredite! As videoaulas são capazes de prender a atenção do aluno, fazendo com que ele se engaje mais com o assunto, além de tornar  a absorção do conteúdo mais fácil, estimulando o raciocínio.  

Para criar as suas videoaulas é imprescindível elaborar roteiros. Para isso, você pode utilizar uma estrutura semelhante a essa:


Para conseguir engajar o seu público-alvo, aposte no visual limpo (atenção para não poluir as videoaulas com muitas artes e letreiros), na interação e em cenas fora do estúdio.  Se possível, exemplifique o que está sendo dito.

Utilize diálogos reais. Se possível, crie um personagem, pois isso causa maior empatia nos alunos.: “João tentou negociar com Maria a compra de um imóvel. No entanto, os dois não chegaram a um acordo por…”.

Atenção! A abertura da videoaula não pode ser longa. Quanto maior o tempo da introdução, maior será a chance do aluno ficar disperso.

 

Podcast: arquivo de áudio digital com o conteúdo abordado na aula, em uma linguagem clara, objetiva, típica dos programas de rádio.

 

E-book: arquivo textual, em formato digital. Ele pode ser a versão para download da sua aula textual ou pode conter conteúdos complementares ao que está sendo abordado na lição. O formato mais comum para este tipo de arquivo é o PDF.

 

– Gamificação: é a utilização de elementos de jogos na educação – como missões ou desafios -, que funcionam como “combustíveis” para a aprendizagem. Outras alternativas são utilizar pontuação e prêmios ou definir personagens e cenários específicos.

 

  • Definição dos módulos: são as divisões onde se encaixam as aulas. Os módulos são apenas cabeçalhos que indicam o que virá nas aulas a seguir. Eles têm por objetivo dividir melhor o curso por etapas, facilitando, assim, o progresso do aluno.

Exemplo: Módulo 01: Conceito e Processo de Negociação

Módulo 02: O que é Preciso para Saber Negociar?

Módulo 03: Gestão de Conflitos

Módulo 04: Negociação de Prazos


  • Definição das aulas: é nesse momento que você irá definir o conteúdo programático ligado ao tema de cada módulo do curso. É importante conectar as aulas da forma mais natural possível, de modo que os alunos sintam que estão evoluindo.

Exemplo: Módulo 01: Conceito e Processo de Negociação.

Aula 01: O que é Negociação?

Aula 02: A Importância da Negociação

Aula 03: Características dos Negociadores de Sucesso

Aula 04: O Processo da Negociação

Aula 05: Tudo Pode ser Negociado


  • Dinâmica do curso: como o aluno irá interagir com o curso? Nesta etapa, você deverá explicar a dinâmica do curso por meio de texto ou esquema.
  • Plano de Mídia: aqui, você deverá indicar as aulas que receberão os recursos multimídia, seus formatos (vídeos, podcasts…) e estimativas de duração.


Observação:

1- O Plano de Curso é flexível. Isso significa que ele poderá ser alterado ao longo da elaboração do curso.  

2- Você também pode inserir o cronograma e o levantamento dos custos que terá para elaborar o curso.  



Quer conhecer o segundo passo para a produção de conteúdos mobile? Aguarde a terceira parte do nosso artigo.  Se ainda não leu a primeira parte, clique aqui e conheça os motivos para criar conteúdos mobile!

0

Aprendizagem Móvel, Conteúdo de Treinamento, Conteúdo Educacional, Planejamento de Treinamento
Criação: Cláudio Almeida

O mobile learning (educação móvel) vem recebendo cada vez mais atenção das instituições de ensino e das empresas – principalmente aquelas que querem seguir na linha de frente da inovação. Então, por que não aproveitar o fato dos smartphones e tablets estarem sempre à mão para investir neste promissor formato de ensino-aprendizagem?

Se você não dá a devida importância para este assunto, acredite: será necessário repensar a sua estratégia não apenas de ensino, mas também  de mercado. Grande parte da população brasileira está usando o mobile learning, e essas pessoas querem uma experiência de aprendizado superior a do modelo tradicional (presencial).


Só para você ter uma  ideia da popularização dos smartphones: de acordo com o levantamento da empresa Cheetah Mobile, cada brasileiro interage mensalmente com 53,62 apps. Ao todo, nove países (Alemanha, Brasil, Canadá, Estados Unidos, França, Índia, México, Reino Unido e Rússia) foram monitorados pela pesquisa. Os números do levantamento mostraram que o brasileiro usa e interage com mais aplicativos do que a média global, que possui engajamento com 39 apps por mês.

As pessoas que fazem parte deste mercado buscam aplicativos educacionais que possam contribuir para o desenvolvimento pessoal e profissional, para acessá-los de forma simples, a qualquer hora e em qualquer lugar. E com esse forte aumento da demanda, novas oportunidades surgem a partir do mobile learning e das infinitas possibilidades de segmentos e focos de atuação. O problema, no entanto, é: como desenvolver conteúdos eficientes de aprendizagem móvel? Vamos aprender?


Se você anda pensando em desenvolver cursos ou treinamentos mobile para modernizar o seu método de ensino-aprendizagem ou até mesmo para aumentar a sua renda mensal, saiba que a elaboração do material didático é uma tarefa árdua e complexa. Mas, com um bom planejamento, você certamente conseguirá engajar as pessoas e obter sucesso.

Graças à diversidade dos materiais didáticos e aos avanços consideráveis na qualidade das conexões de internet, hoje, é possível elaborar cursos ou montar treinamentos bastante criativos e versáteis, que utilizam todas as vantagens das mídias atuais. Além dos textos para leitura, o conteúdo pode (e deve) incluir videoaulas, podcasts, ilustrações, gráficos e outros recursos que influenciam os resultados do processo educacional.

Acompanhe a segunda parte do nosso artigo na próxima semana!


0

Conteúdo de Treinamento, Conteúdo Educacional, Desenvolvimento de Equipes, Planejamento de Treinamento
Criação:Fábio Britto


A
Educação Móvel – ou Mobile Learning – tem apostado nos mais diversos estímulos visuais e auditivos para facilitar o aprendizado e aumentar o engajamento dos alunos. Além dos já tradicionais textos, entram em cena os podcasts, ebooks e videoaulas como recursos valiosos para o ensino digital.


Neste artigo, discutiremos a produção de vídeos para o ambiente virtual – e como utilizá-los a favor do aprendizado via celular, tablet ou notebook! Então vamos lá!



O vídeo e suas características

Podemos definir os vídeos como ferramentas dinâmicas, já que, em um único arquivo, eles conseguem unir imagem e som.


Como muito bem define Moran (1995), “o vídeo entrelaça o imaginário, a intuição com a razão […], […] nos seduz, informa, entretém, projeta outras realidades. O vídeo combina a comunicação sensorial-sinestésica com a audiovisual, a intuição com a lógica, a emoção com a razão, começando pelo sensorial, pelo emocional e pelo intuitivo, para atingir posteriormente o racional”.


Os vídeos podem ainda atingir quase todos os sentidos do corpo humano. Isso porque os recursos audiovisuais acionam a imaginação do usuário o tempo todo. Martirani (1998) relata que “a linguagem videográfica, ao utilizar som e imagem, articula uma rede de signos que orienta o processo comunicativo ora para a percepção ora para a cognição”.


Dessa forma, o vídeo se apresenta como uma ferramenta poderosa de transmissão de informações, enriquecendo e ampliando a experiência do espectador.



Fugindo do amadorismo

Embora o vídeo apresente inúmeras características positivas – dinamicidade e maior envolvimento do espectador, por exemplo – é preciso tomar alguns cuidados na hora de produzi-los.  


Hack (2007) destaca que devemos ficar atentos à maneira como as informações serão transformados em cenas. Em casos de simulação de situações, por exemplo, o ideal é utilizar atores profissionais, para que a encenação tenha maior dinâmica e cause empatia naqueles que assistirão os vídeos.


Portanto, a profissionalização é de extrema importância na produção audiovisual. O amadorismo compromete profundamente a qualidade e, por consequência, o alcance e a eficiência do material produzido.



Multimídia a favor do aprendizado

Os dicionários definem a palavra multimídia como “técnica para apresentação de informações que recorre simultaneamente a diversos meios de comunicação, mesclando texto, som, imagens fixas e animadas”. E é exatamente isso que o vídeo representa!

Para Carneiro (2001), quando várias mídias são utilizadas, é possível alcançar abordagens diferentes – e isso potencializa o processo de aprendizagem! Além disso, Baggett (1984) confirmou que os conteúdos repassados visualmente são retidos com maior eficácia.

Por fim, uma pesquisa norte-americana veio endossar as vantagens da utilização dos vídeos no ensino. Hee Jun Choi e Scott D. Johnson confirmaram, em seus estudos, que o vídeo online potencializa a retenção e o engajamento de alunos.


Como utilizar vídeos na educação móvel

A Educação Móvel tem atraído, cada vez mais, os consumidores de ensino a distância. Afinal, é muito mais prático aprender pelo celular ou tablet – e o aprendizado se torna ainda mais dinâmico quando ocorre por meio de vídeos!

Contudo, sendo um mercado relativamente novo, muitas incertezas “assombram” a produção audiovisual voltada para Mobile Learning. Com o objetivo de diminuir ao máximo essas indefinições, reunimos importantes recomendações para quem vai (ou quer) embarcar nessa aventura!

Em primeiro lugar, é necessário encontrar um formato de vídeo que seja atrativo, dinâmico e acessível.  

Devemos também considerar que o usuário pode estar consumindo dados móveis na visualização dos vídeos. Portanto, os arquivos precisam ser leves! E atenção: vale reduzir a qualidade da imagem em benefício da usabilidade.

Outra estratégia é dividir o conteúdo em vídeos mais curtos. Além de carregarem mais rápido, eles facilitam o acesso do usuário, já que podem ser consumidos nos pequenos intervalos do dia a dia dos alunos.

Pesquisas apontam que uma média de 2 a 5 minutos é a duração adequada para que um vídeo seja mais atrativo e funcional. Nesse intervalo, a taxa de desistência costuma ser de 5%. Em vídeos de 5 a 10 minutos, o abandono sobe para 17%.

Vídeos curtos e leves, contudo, não devem servir de desculpa para a produção amadora. Cenas bem produzidas, pertinentes e complementares ao conteúdo narrado são importantes para prender a atenção do usuário.

Não tenha medo de utilizar fotografias, gráficos, infográficos e outras artes para ilustrar o assunto. Lembre-se de que a parte visual do vídeo pode acelerar o processo de aprendizagem, na medida em que fixa e reforça o conteúdo exposto.

Peter Drucker, um dos maiores nomes da administração moderna, ensina que “o que se mede, se administra”. E isso não é diferente na produção audiovisual. Gravar, editar e disponibilizar não pode ser a regra. É também necessário medir a utilização e o consumo dos vídeos.


Nesse contexto, a taxa de retenção e a taxa de abandono são pontos cruciais de análise!


Pesquisas voltadas para o mercado e-learning revelam que o usuário abandona um vídeo que não abre em 2 segundos. Por isso, fique atento ao tempo de carregamento: se for longo, é preciso rever a tecnologia de hospedagem e de disponibilização dos vídeos.


Além disso, é essencial mensurar em que ponto os usuários deixam de assistir os vídeos.


A estrutura básica de um vídeo geralmente é:

  • Nariz/abertura ou vinheta de abertura – os primeiros 2% do tempo de vídeo;
  • Corpo do vídeo ou estrutura de conteúdo – 96% do tempo de vídeo;
  • Cauda ou encerramento – os últimos 2% do tempo de vídeo.

Perder público nos primeiros 2% do vídeo significa que o usuário, logo de cara, não se interessou. Portanto, é necessário rever a estrutura de abertura.


O corpo do vídeo merece atenção especial: edições ágeis, boa trilha sonora, linguagem informal e artes adequadas aumentam o engajamento e o interesse do público.


Os 2% finais do vídeo podem ser o momento de “despedida”, com uma vinheta de encerramento. Essa decisão é estratégica porque muitos usuários fecham o vídeo antes mesmo que ele termine. Ao adicionar uma vinheta, você evita que o aluno perca conteúdo durante esse abandono.


Por fim, é preciso alinhar o produto audiovisual com a necessidade do usuário. Por exemplo: de nada adianta você querer ter um conteúdo inclusivo para portadores de deficiência auditiva, se seu vídeo não possui Libras. Os menores cuidados são importantes: desde o tipo de fonte utilizada até a escolha do thumbnail (a miniatura da imagem do vídeo).


A produção audiovisual para a Educação Móvel está crescendo! Quem quer investir nesse ramo precisam se reinventar, ser criativo e proporcionar maior usabilidade e acessibilidade aos alunos. Lembre-se de que criar conteúdo audiovisual de alta qualidade é imprescindível, sempre!

0

PREVIOUS POSTSPage 1 of 2NO NEW POSTS