Good Contents Are Everywhere, But Here, We Deliver The Best of The Best.Please Hold on!
Your address will show here +12 34 56 78
mLearn
Criação: Cláudio Almeida

Nenhum empreendimento terá sucesso se o público-alvo não for definido com antecedência, considerando-se os seguintes aspectos: faixa etária, escolaridade, desejos, gênero, localização, necessidades, estado civil, hábitos de consumo e renda.


Somente depois de conhecer esses aspectos é que uma empresa poderá definir metas e objetivos em relação às vendas, pois o desconhecimento implicará uma comunicação ineficaz com o cliente e, consequentemente, a quebra do processo de negociação.


Entre esses aspectos, a identificação dos desejos e necessidades tem um importante papel. Mas como conhecê-los? Como saber o que o cliente deseja e de fato necessita? A resposta é simples: perguntando e observando.


No momento em que se estuda o público-alvo, por um lado se conhecem as necessidades relacionadas aos produtos ou serviços almejados, e por outro se descobre a melhor maneira de atrair esse público, para assim definir as estratégias de atuação.


Conhecer os tipos de clientes é fundamental para uma ação mais eficiente e direcionada. Cada tipo de indivíduo tem uma personalidade que requer um determinado modo de tratamento.


Neste artigo, apresentaremos os tipos de clientes na situação de atendimento, em que cada um desempenha o papel principal e merece sua atenção!


A importância do atendimento de qualidade




A satisfação do cliente é capaz de melhorar a imagem, os produtos e, consequentemente, o faturamento de uma empresa. E é exatamente essa satisfação que garante ou não o sucesso organizacional.


Uma das melhores formas de divulgação do seu negócio são os comentários de um cliente que já foi bem atendido pela sua equipe de vendas. Por exemplo, o cliente conta sobre sua experiência para os amigos que, por sua vez, contam para outras pessoas. Isso é o que chamamos de divulgação “boca-a-boca”.


A formação de uma imagem positiva necessita de tempo e de esforço, no sentido de garantir um atendimento de qualidade. Já a deterioração da imagem de uma empresa pode acontecer rapidamente – e, uma vez arruinada, é muito difícil recuperá-la.


A responsabilidade pela formação da imagem positiva é de toda a equipe, sem exceção. O comportamento inadequado de um profissional que desagrade o cliente pode danificar a imagem que demorou meses ou até anos para ser construída e consolidada no mercado.

Desta forma, a qualidade no atendimento acaba sendo um fator vital para o sucesso das vendas ou da prestação de serviços.


O que o cliente espera de um atendimento de qualidade?




Prestar um atendimento de qualidade vai muito além de ser bem-educado, cordial, ético e empático. Você, enquanto gestor, deve sempre reforçar para a sua equipe de que a captação e a manutenção de clientes estão profundamente relacionadas ao bom atendimento que ela é capaz de oferecer.


Além disso, o cliente espera quatro requisitos básicos durante um atendimento. Vamos conhecê-los!


  • RESPEITO

O primeiro contato com o cliente é sempre decisivo. Quando o vendedor realiza um atendimento, ele está falando em nome da empresa e, mesmo que o cliente esteja mal-humorado, as boas maneiras devem ser preservadas.


É imprescindível que o vendedor se coloque no lugar do cliente e trate-o da mesma maneira que ele gostaria de ser tratado. Isso permite que o vendedor consiga resolver os possíveis problemas com mais rapidez e eficiência.


Lembre-se: atitudes grosseiras afastam qualquer pessoa!


  • AGILIDADE

O cliente espera por agilidade durante o atendimento. Quando o profissional demonstra preguiça durante o atendimento, o cliente é forçado a ir atrás do que precisa sozinho. Por isso, é fundamental que o vendedor seja proativo, mas sempre com  moderação.


O vendedor deve ficar atento quanto ao número de informações e variedades de produtos que irá oferecer ao cliente. É preciso foco para ajudá-lo a entender o que ele quer e o que ele vai comprar.


  • CRIATIVIDADE

Definitivamente nenhum cliente espera ser atendido por um vendedor que utiliza exatamente o mesmo discurso para todos! A velha expressão “o produto é perfeito para você” é um clichê que não se utiliza mais. Portanto, o profissional deve fugir do script e conectar-se à realidade de cada cliente.


  • CREDIBILIDADE

A primeira coisa que o cliente deseja levar em consideração no atendimento é a credibilidade do profissional que está oferecendo um produto e/ou serviço. Ao omitir uma informação só para finalizar um atendimento, o profissional estará colocando em risco a própria imagem, a imagem da empresa e daquilo que é oferecido.


Agora que já conhecemos o que o cliente espera de um atendimento de qualidade, vamos conhecer sete grupos de consumidores brasileiros. Na sequência, vamos mostrar os principais tipos de clientes e aprender a lidar com alguns comportamentos que eles podem apresentar.


Tipos de Clientes




De acordo com um estudo da agência de publicidade Young & Rubicam, existem sete grupos principais de consumidores brasileiros. Vamos conhecê-los?


Integrados

A preocupação com família é a principal característica desse grupo. Por isso, nunca tomam decisões individuais, sempre coletivas. Os bens de consumo mais procurados por eles são aqueles de marcas tradicionais. Ou seja, não se arriscam a novidades. São maioria na sociedade.


Idade: 40 a 64 anos;
Porcentagem da população: 26%;
Classe social predominante: C;
O que procuram: segurança;
Quem são: funcionários públicos, bancários e donas de casa.

Exploradores

Vivem intensamente e adoram praticar esportes de aventura. O objetivo é buscar novas experiências e sensações. São, quase sempre, os primeiros a aceitar as evoluções tecnológicas e comprar produtos inovadores. Esse grupo é conhecido por criar as tendências.


Idade: 18 a 24 anos;
Porcentagem da população: 10%;
Classe social predominante: B e D;
O que procuram: descobertas e desafios;
Quem são: músicos, hoteleiros, diplomatas e artistas.

Resignados

Seguem os dogmas religiosamente. Não fazem nada que fuja às regras, respeitam as instituições e tentam passar isso para a família. Para essas pessoas, a compra está intimamente ligada à segurança e ao preço adequado.


Idade: 18 a 39 anos;
Porcentagem da população: 6%;
Classe social predominante: C e D;
O que procuram: viver de acordo com as regras;
Quem são: operários e aposentados.

Emuladores

São tidos como superficiais, materialistas e esnobes. Esses são alguns dos adjetivos usados para defini-los. Para essa camada da população, a embalagem é mais importante do que o conteúdo. Por isso, compram tudo o que está na moda, aparece na mídia e reflete status.


Idade: 18 a 34 anos;
Porcentagem da população: 24%;
Classe social predominante: A e D;
O que procuram: aparência e status;
Quem são: os “alpinistas sociais” e “novos ricos”.

Transformadores

São pessoas que visam mudar o mundo trabalhando em projetos sociais ou organizando protestos. Os consumidores desse gênero são vistos como intelectuais, sendo menos materialistas, e buscam comprar produtos que sejam política e ecologicamente corretos.


Idade: 18 a 24 anos;
Porcentagem da população: 9%;
Classe social predominante: A e B;
O que procuram: um mundo melhor; Quem são: acadêmicos, escritores e assistentes sociais.


Vencedores



O nome já diz tudo. Essa turma tem como objetivo vencer na profissão. São aplicados, concentrados e organizados. Gostam de viajar, ir a festas e praticar esportes competitivos. Quando o assunto é compra, procuram prestígio e, acima de tudo, qualidade.


Idade: 25 a 29 anos;
Porcentagem da população: 19%;
Classe social predominante: A, B e C;
O que procuram: luxo e status;
Quem são: empresários e executivos.

Inconformados

É o típico grupo formado por pessoas insatisfeitas e que esperam que as oportunidades caiam do céu. Permanecem em casa assistindo à televisão, se alimentam basicamente de fast food e fazem poucos planos para o futuro. A compra está relacionada ao preço e a uma gratificação instantânea.


Idade: 18 a 29 anos;
Porcentagem da população: 6%;
Classe social predominante: C e D;
O que procuram: esperam pela sorte;
Quem são: desempregados ou pessoas com empregos temporários.

Conhecer os tipos de clientes irá ajudá-lo a melhor atendê-los. Afinal, agora você sabe o que eles querem e pensam na hora de gastar!


Como Lidar com Comportamentos Diferentes


Cada indivíduo tem uma personalidade que requer um modo diferente de tratamento. No processo de atendimento, a equipe de vendas deve identificar os diversos tipos de clientes com os quais se relaciona diariamente.


Isso permitirá aplicar maneiras e métodos que satisfaçam o cliente, obtendo, assim, maior cumplicidade na construção do relacionamento.


Vamos conhecer cada perfil:


1. Impaciente: Acredita que está sempre com a razão. Quer ser bem atendido em tudo que pede. É falante, mas não é claro nem objetivo. Pergunta constantemente e chega a insultar quando contrariado, fazendo piadinhas de mau gosto.

Dicas de Atendimento: Trate-o com brevidade, rapidamente, mas com muita cortesia. Esse tipo de cliente exige sinceridade, segurança nas respostas e autocontrole.


2. Silencioso: É pouco informado e não consegue se expor. Demonstra timidez, tranquilidade e ingenuidade. Se não estiver satisfeito, simplesmente nunca mais retornará.

Dicas de Atendimento: Seja gentil e prestativo. Induza o cliente ao diálogo, pedindo detalhes sobre o que ele deseja. Não o pressione. Seja firme, seguro, prestativo. Demonstre satisfação em tê-lo ajudado.


3. Barganhador: Gosta de levar vantagem em tudo. Não gosta de ser tratado igual aos outros, quer sentir-se diferenciado e ganhar uma concessão sempre. É falador.

Dicas de Atendimento:  Trate-o como um cliente especial. Deixe-o falar tudo o que deseja e – inclusive – que insinue discretamente o que quer que você faça para ele. Utilize um tom de voz discreto, reservado. Mantenha-o afastado das demais pessoas para que ele sinta que o atendimento é pessoal e profissional. É importante saber até onde você pode ir nas negociações.


4. Indeciso: Apresenta ar de apreensão permanente, sempre quer conversar mais, perguntar sobre coisas que já perguntou. Às vezes tem raciocínio lento.

Dicas de Atendimento:  Aja com moderação, calma e paciência, respondendo sempre e sinceramente às perguntas feitas, mesmo que várias vezes.


5. Agitado: Pessoa inquieta, geralmente interrompe sua fala e não tem paciência de ouvir a explicação.

Dicas de Atendimento:  Aja com calma, falando moderadamente, sem se irritar. Deve-se evitar ao máximo abordar questões que tenham mais de um sentido e deve-se ter respostas claras e objetivas.


6. De bom senso: É uma pessoa amável, agradável e inteligente.

Dicas de Atendimento:  Aja com atenção, demonstrando prestabilidade e mantendo sempre o clima de simpatia e cordialidade.


7. Bem humorado: Pessoa agradável, de conversa envolvente, mas que desvia do assunto constantemente, dificultando o diálogo.

Dicas de Atendimento: Seja gentil e amável, buscando conduzir o diálogo. Explique-lhe calmamente sobre o serviço ou produto desejado e pergunte se ele tem alguma dúvida. Se isso o deixar indeciso, você poderá convencê-lo a aceitar suas sugestões.


8. Inteligente: Sabe tudo sobre tudo, não gosta de argumentos fracos.

Dicas de Atendimento:  Use de bom senso e lógica, nunca omitindo informações. É muito importante estar bem informado e ter bastante segurança em tudo que diz.


9. Confuso: É aquele cliente indeciso, que muda de opinião constantemente. Conta histórias longas. Desorganizado nas ideias, fatos e acontecimentos.

Dicas de Atendimento:  Realize perguntas específicas. Não desvie do assunto. Seja objetivo e direcione a conversa para o que você necessita saber. Reinicie com paciência sempre que o cliente solicitar.


10. Importante e presunçoso: Entende de tudo. Sempre fala “eu sei” depois de qualquer afirmativa. Gosta de impressionar. Detesta ser interrompido. Pouco argumenta e quase nunca ouve os seus interlocutores. É impaciente.

Dicas de Atendimento:  Ter muita habilidade, dar valor ao cliente, mas sem bajulá-lo. Ouça-o com atenção e, ao argumentar, demonstre segurança e seriedade. Mediante atitudes arrogantes, ignore e mostre simpatia. Esclareça as dúvidas imediatamente. Se ele interromper, deixe-o falar e em seguida continue você falando do ponto onde parou. E ao terminar sua explicação, pergunte-lhe: “O Sr. / Sra. tem mais alguma dúvida?” ou o “Sr. / Sra. deseja mais algum esclarecimento?”


11. Detalhista: Metódico e detalhista. Crítico. Quer soluções e não justificativas. Impaciente. Não tolera sentir-se ludibriado.

Dicas de Atendimento: Seja objetivo e breve e demonstre paciência e calma. Transmita as informações com segurança. Explique-as passo a passo, em detalhes.


12. Agressivo: Gosta de discutir por qualquer coisa, seja muito ou pouco importante. Critica abertamente. Tudo é um motivo para brigar.

Dicas de Atendimento: Não interrompa a fala do cliente, deixe-o liberar a sua raiva. Nunca demonstre que está intimidado com a hostilidade. Explique a ele tudo o que fará, a fim de que ele perceba que você está comprometendo-se em resolver o problema o mais rápido possível. Use frases que ajudam a acalmar, por exemplo: “Imagino como o senhor ou a senhora está se sentindo”; “O senhor tem razão”; “Farei tudo para resolver o problema”.


Conclusão

Como você pôde perceber, cada situação e atendimento é única e diferente. É preciso compreender que não é só a qualidade de produtos e serviços que é importante: a qualidade do atendimento ao cliente é igualmente crucial.


O atendimento de qualidade envolve atenção, vontade, cuidado, profissionalismo e respeito com o cliente. É a peça fundamental para a continuidade do negócio e sobrevivência de qualquer empreendimento.


Estudos feitos por especialistas em relacionamento com clientes mostram que em média uma empresa perde 30% de seus clientes a cada ano pelos mais variados motivos. Mas raramente os clientes insatisfeitos fazem reclamações, a não ser quando eles já atingiram o auge da irritação.


A fuga silenciosa de clientes acontece porque reclamar dá trabalho e, além do mais, gera normalmente situações desconfortáveis tanto para quem faz como para quem recebe a queixa.


Você sabia que  95% dos clientes insatisfeitos não reclamam, apenas deixam de comprar? E sabia que um cliente insatisfeito costuma contaminar outros 13, enquanto um satisfeito influencia apenas 5?  E que conquistar novos clientes custa entre 5 a 7 vezes mais do que manter os já existentes? O esforço na retenção de clientes é, antes de tudo, um investimento que irá garantir aumento das vendas e redução das despesas.


Os clientes reclamam porque não tiveram suas necessidades satisfeitas pelo serviço ou pelo produto adquirido. Eles se sentem enganados, vítimas da empresa. Devemos compreender esses sentimentos e tratar nossos clientes de forma adequada. Transformar o momento de reclamação em solução ajuda muito na fidelização do cliente. A essência de atender às reclamações está em perceber os sentimentos do reclamante. Quando aprendemos a lidar com esses sentimentos sem envolver os nossos, desvendamos o mistério. Lembre-se disso!


Ao longo deste artigo, você pôde observar alguns exemplos de perfis de clientes com os quais o vendedor lida em seu dia a dia. Vale ressaltar,  mais uma vez, que cada atendimento é único, apesar de alguns aspectos se repetirem com frequência. É preciso compreender que a qualidade do processo de venda nunca se limita somente à qualidade dos produtos e serviços comercializados. A excelência no atendimento é um ponto-chave, e muitas vezes crucial para o sucesso da venda!

0

mLearn

Treinamentos corporativos são essenciais para formar equipes altamente qualificadas, gerando benefícios tanto para a empresa quanto para os profissionais.


Introdução


No mundo corporativo, o treinamento sempre foi utilizado como ferramenta de organização e qualificação do trabalho. Porém, com o passar dos anos, esse processo tem ganhado mais força, e já se tornou essencial para as empresas que pretendem se destacar no mercado e que apostam em bons profissionais para oferecer serviços de qualidade.


De acordo com especialistas, o treinamento profissional deixou de ser uma escolha para se tornar um fator fundamental para o sucesso, a diferenciação e o crescimento de empresas e colaboradores.


Muito mais do que passar conhecimento, os treinamentos têm como objetivo capacitar profissionais. Treinar é a palavra-chave para os que almejam sucesso, e muitas organizações já contam com planejamentos e programações especiais, focadas em suas necessidades, para construir equipes completamente eficazes.


Apesar do cenário em que boa parte das empresas brasileiras enfrentam corte de custos, cancelamento de projetos e enxugamento de operações, grande parte delas nunca investiu tanto em treinamento e desenvolvimento para suas equipes. Foi o que apontou um estudo feito pela ABTD (Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento). De acordo com a associação, no Brasil, o volume de horas de treinamento por colaborador em 2016 foi 33% superior ao registrado no ano anterior (2015), passando de 16,6 horas para 22 horas por mês, em média.


Esse aumento nos números de capacitação profissional tem como objetivo otimizar operações das empresas, de modo que as organizações possam investir em qualificar suas equipes para torná-las mais produtivas e assertivas.


O capital humano é tido como o maior patrimônio de qualquer empresa. Portanto, investir nesses profissionais é uma competência essencial para que uma instituição alcance o sucesso desejado.




As vantagens do desenvolvimento profissional


Em um mercado cada vez mais competitivo, as empresas precisam cada vez mais se reinventar para manter um bom desempenho nos negócios. Diante disso, os treinamentos organizacionais têm se tornado essenciais no dia a dia de muitos colaboradores, pois além de torná-los mais capacitados, também fazem com que a organização se desenvolva.


As empresas que buscam preparar seus colaboradores conseguem identificar os pontos fracos e fortes que cada um possui. Além disso, o treinamento possibilita que essas pessoas se aperfeiçoem e se sintam mais seguras desempenhando uma atividade.


O treinamento nada mais é do que um processo bem estruturado, onde o funcionário é preparado para desempenhar sua função de modo a atender às expectativas da empresa e impactar diretamente nos resultados da mesma.  Portanto, para que qualquer empresa se desenvolva, é fundamental ter uma política de treinamento contínuo, focada no desenvolvimento.


São inúmeros os benefícios da capacitação profissional para as organizações:


  • Melhora da produtividade

Por meio do treinamento de funcionários, a primeira mudança que se pode identificar é o aumento da produtividade. Isso porque, no momento do treinamento, muitas dúvidas são tiradas e muitos procedimentos são aperfeiçoados. Ou seja, após o treinamento, a equipe produzirá mais, melhor e mais rápido.


  • Aumento da autoconfiança

Treinamento traz aperfeiçoamento e segurança. Aprender, corrigir algo ou reiterar aquilo que já se sabia são fatores que ajudam a construir em cada funcionário um forte senso de autoconfiança ao desempenhar suas atividades dentro da organização. E um funcionário confiante certamente toma decisões mais assertivas!


  • Gera motivação

Nada mais motivador do que aprender coisas novas e evoluir no ambiente de trabalho. Uma empresa que investe em treinamento, proporcionando esse aperfeiçoamento na carreira dos membros da equipe, ajuda os funcionários a trabalharem mais felizes e com mais motivação.




  • Intensifica o engajamento com a empresa

É muito mais gratificante trabalhar em uma empresa que quer crescer junto com o funcionário. Essa sensação de “fazer parte de algo maior” é poderosa, e pode fazer com que a equipe se sinta muito mais engajada. Isso se reflete na preocupação genuína em produzir bem e trazer boas soluções e novas ideias para a trabalho.


  • Vantagem competitiva

Com uma equipe mais qualificada, certamente sua empresa alcançará resultados excelentes.


Entretanto, de nada adianta a disposição das empresas em investir se o profissional não souber aproveitar o momento e os benefícios oferecidos pelo treinamento. É muito importante que o colaborador tenha em mente que, à medida em que se qualifica e que passa a perceber a importância desse investimento, ele passa a ter um destaque diferenciado.


Além disso, as organizações estão sedentas por profissionais qualificados e que demonstram iniciativa, capacidade e força de vontade em aprender. Em qualquer área ou cargo, buscar capacitação e demonstrar estar antenado e disposto a aprender aumenta as chances de empregabilidade.


Confira outras vantagens do treinamento para os profissionais:

  • Atualização do conhecimento;
  • Ensina a lidar com novos desafios;
  • Auxilia no direcionamento da carreira;
  • Permite conhecer novas pessoas;
  • Ajuda a otimizar o tempo.


Lidar com novos desafios e agregar conhecimento são fundamentais para a construção de um bom currículo e de uma carreira de sucesso. Além disso, a troca de conhecimento e experiências pode contribuir nas dúvidas e nos desafios futuros.


Tipos de treinamento profissional


Entre os mais diversos cursos de capacitação existentes, os principais implementados pelas organizações têm sido os treinamentos básicos de linguagem e matemática, reconhecidos como habilidades de linguagem.


Pode-se dizer que esse tipo de treinamento tem como objetivo desenvolver a habilidade dos indivíduos em redigir e compreender gráficos, tabelas, boletins, frações, números decimais, além de aprimorar a capacidade de comunicação.




Outros tipos de treinamentos explorados pelas companhias são:


Habilidades Técnicas

Esse tipo de treinamento está se tornando cada vez mais importante dentro das organizações. Isso se deve a dois fatores: novas tecnologias e novos modelos de estruturas organizacionais. Em primeiro lugar, com a melhoria dos métodos de trabalho, os profissionais acabam sentindo a necessidade de aprenderem novas técnicas. Em segundo, tendo em vista que as organizações têm expandido a utilização das equipes e derrubado as barreiras tradicionais dos departamentos, os funcionários sentem necessidade em ampliar suas tarefas.


Habilidades Interpessoais

É um treinamento que tem como objetivo melhorar a habilidade de interação de todas as pessoas que estão inseridas dentro da organização. Essa capacitação tem sido bastante utilizada pois, enquanto alguns conseguem se relacionar em grupo de maneira adequada, outros não sentem facilidade nisso. Os comportamentos que podem ser trabalhados são: aprender a ouvir, comunicar as ideias de maneira clara e tornar-se um membro mais eficaz.


Habilidades para a Solução de Problemas

É um treinamento com atividades voltadas para o desenvolvimento da lógica, elaboração de alternativas e análise das mesmas e seleção da melhor maneira de resolver um problema. Ele pode ser aplicado para todos os funcionários da empresa, apesar das funções desempenhadas serem diferentes.


Implementando a educação e o treinamento corporativo


A educação corporativa vai além de se investir em treinamentos periódicos de funcionários ou em capacitação de mão de obra.


E o primeiro passo a ser dado para colocar em prática o treinamento corporativo é o planejamento. É importante definir se os encontros acontecerão de forma presencial ou a distância – e, nesse contexto, entender as vantagens de se optar por plataformas de ensino a distância é um ponto positivo.




Outro fator essencial é que a empresa tenha sempre em vista quais são seus objetivos e de que forma pretende atingi-los. A organização deve deixar claro a seus colaboradores quais são as metas, e de que forma eles podem colaborar para o alcance das mesmas.


Além disso, é importante identificar os funcionários que, ao longo dos anos, armazenam conhecimentos sobre as melhores práticas para a organização. A empresa pode incentivar o compartilhamento dessas práticas, promovendo trocas de capacidades entre setores e treinamentos promovidos por funcionários sêniors.


Essa também é uma forma de colocar os funcionários como protagonistas dentro da empresa, estimulando-os a buscarem mais conhecimento e usando-os como modelo para colaboradores mais novos.


Dicas para implementar o treinamento corporativo:

  • Defina objetivos;
  • Identifique as necessidades da empresa e da equipe;
  • Planeje a capacitação;
  • Defina o formato do treinamento: presencial, a distância, online;
  • Acompanhe os resultados do treinamento.

Por fim, a educação corporativa não precisa ter apenas um objetivo. Pelo fato de ser um processo constante, ela facilita o treinamento recorrente, fazendo com que diferentes metas possam ser atingidas simultaneamente ou em sequência. Também vale ressaltar que, em empresas maiores, os treinamentos não precisam ser os mesmos para cada equipe: considere as defasagens de cada time e promova capacitações específicas.


Treinamento personalizado: a poderosa estratégia para a gestão de carreira


O treinamento personalizado é um processo que visa oferecer um trabalho totalmente individualizado ao aluno, otimizando os seus resultados e objetivos específicos. Este tipo de capacitação está sendo cada vez mais procurada por profissionais que buscam se destacar na carreira com alta performance.


Por ser totalmente elaborado de acordo com as características pessoais do aluno – como individualidade biológica, perfil psicológico e perfil social -, este tipo de treinamento é uma estratégia muito eficaz para aprimorar profissionais a curto prazo.


O principal objetivo dos treinamentos empresariais personalizados é fazer um mapeamento do profissional que será treinado e, a partir daí, construir processos personalizados e eficazes para o mesmo.


Uma das formas de ter um treinamento personalizado é apostar na aprendizagem móvel. Os aplicativos de educação corporativa para celular permitem a customização de inúmeros pontos: os conteúdos do treinamento, o visual do aplicativo e até o seu funcionamento.




Além disso, essa modalidade de aprendizagem oferece mais liberdade e flexibilidade para os colaboradores, já que eles podem estudar quando e onde quiserem, em seus próprios smartphones.


Os sistemas de aprendizagem são, muitas vezes, concebidos num formato rígido, que não respeita as individualidades e o ritmo de aprendizagem de cada usuário. A aprendizagem móvel, ao contrário, propõe que o usuário controle não só o que irá aprender, mas também escolha o momento e o local apropriados para o treinamento.


Conclusão


Os colaboradores representam o principal patrimônio de uma empresa. Portanto, é de suma importância que eles estejam sempre atualizados e qualificados, garantindo o diferencial competitivo da organização e, consequentemente, o sucesso do negócio.


Por meio do treinamento, os funcionários são preparados para desempenhar, de maneira excelente, as tarefas específicas de seu cargo. Além disso, é possível desenvolver competências essenciais para o relacionamento, a comunicação e o desenvolvimento profissional.


Através do treinamento corporativo, os colaboradores se tornam mais ousados, ágeis e preparados para assumir novos desafios. Dessa forma, a empresa que investe no treinamento de seus funcionários investe em si mesma e acredita no seu potencial.

0